O Land Rover ‘Português’

Motor 24
Motor 24
Redação

Em resposta a um pedido do Exército Português que pretenderia substituir os velhinhos Dodge cedidos pelos Estados Unidos após a guerra da Coreia, e os Unimog utilizados na guerra do Ultramar, a SEMAL desenvolveu por volta de 1971-72, um protótipo militar com base num Series III 109“, embora com bastantes alterações estéticas e construtivas face ao modelo original, com particular destaque para toda a secção dianteira, a cabina pick up e a caixa de carga traseira.

A originalidade deste veículo não é óbvia à primeira vista. Observando bem, parece um estranho cocktail de componentes Land Rover. As portas são aparentemente standard e a grelha é a última dos Series IIA (“grelha em cruz”). O pára-brisas é a direito e o pára-choques o de um Land Rover Lightweight. As abas dianteiras poderiam ser de patente militar australiana, mas de onde veio o capô e o topo das portas em lona, assim como o tecto da cabina? E quem fez aquela estranha caixa de carga traseira?

A história por detrás deste veículo começa em 1971, daí o registo 1978-79T. Na época, a Land Rover abastecia o mercado português através da sua linha de montagem em Lisboa, para onde exportava os seus veículos em forma de kit CKD. Entre os seus principais clientes figurava o Exército Português. Os militares tinham por hábito fazer pedidos especiais para os seus veículos e a Land Rover esteve sempre disponível para adaptar o seu design em conformidade. Em 1971, o Exército Português precisava de um carro ligeiro de carga capaz de progredir em águas mais profundas e pediu à Land Rover o fornecimento de um modelo One Ton que fosse capaz de andar em águas mais fundas. Mas devido às restrições de importação criadas pelo Governo, parte da viatura acabou por ser desenvolvida em Portugal.

Os militares tinham por hábito fazer pedidos especiais para os seus veículos e a Land Rover esteve sempre disponível para adaptar o seu design em conformidade

Assim, a fábrica concordou em fornecer um chassis 109”, a antepara, a parte inferior das portas, um motor diesel de 2286 cc e um sistema eléctrico de 24 volts para testes do Exército. Como o veículo deveria ter capacidade de carga para uma tonelada, foram também fornecidos componentes de acordo com a especificação One Ton. O chassis nº 92000389A foi enviado em kit, de Solihull para Lisboa, e o protótipo de testes foi construído em Portugal. Se a carroçaria especial foi preparada pela Land Rover ou nas oficinas do Exército Português não é claro, mas o mais provável é que tenham trabalhado em conjunto. De uma forma ou de outra, este é um veículo único. A caixa de carga foi montada numa posição elevada, para ficar fora de água e foi desenhada para transportar uma palete standard da NATO. Por baixo, foi colocada a roda sobresselente, os racks para os jerricans de combustível foram colocados do lado esquerdo, à frente da cava da roda traseira e uma caixa de arrumações no local correspondente do outro lado do veículo. A parte de baixo do veículo foi feita à prova de água e a tomada de ar do motor, colocada bem acima do tejadilho, do lado do condutor. Foi igualmente colocado um guincho de tambor do tipo PTO. Tal como o One Ton, foi ‘calçado’ com pneus 9.00 x 16 montados em jantes de aço de 6,5”.

Após diversas sessões de testes e desenvolvimento, o projecto foi finalmente abandonado pelo Exército em 1978, sem que isso tivesse significado o fim da história deste veículo, que acabou por ser enviado para Inglaterra. Depois de resgatado de uma sucata por iniciativa de Richard Beddall, conhecido coleccionador e entusiasta da marca, passou alguns anos ao serviço da propriedade da família. Após um curto período em que esteve na posse de um coleccionador americano, voltou novamente para Inglaterra e, actualmente, faz parte de uma das maiores colecções privadas de Land Rover do mundo, a Dunsfold Collection, no sul de Inglaterra. De dois em dois anos, este e os cerca de 131 Land Rover da colecção são expostos no “Dunsfold Open Weekend”, oferecendo aos entusiastas a oportunidade de verem ao vivo este magnífico episódio da história da marca “made in Portugal”.

Texto: Alexandre Coutinho – Fotos: Dunsfold Collection

*Extracto do livro “Land Rover em Portugal”, de Alexandre Coutinho. Pedidos para: livroscontraacorrente@gmail.com

Percorra a galeria de imagens acima clicando sobre as setas.