FOTO F3rn4nd0/Wikimedia Commons CC BY-SA 3.0

A China está a atacar com toda a força o problema da poluição do ar nos centros urbanos. O país asiático apontou o automóvel elétrico como um futuro obrigatório a médio prazo, e está a obrigar os construtores chineses e as marcas estrangeiras presentes no país a deixar para trás os carros a gasolina, tendo recentemente anunciado uma lista de 553 modelos que devem deixar o mercado imediatamente.

As autoridades não revelaram publicamente a lista, mas um porta-voz da Associação de Carros de Passageiros revelou que é uma percentagem pequena da quantidade de modelos produzidos no país. A lista inclui não só modelos produzidos por marcas generalistas, mas também automóveis de marcas de luxo, onde o público-alvo é mais tradicional. Os 553 modelos não cumprem os novos limites de consumos de combustível estabelecidos pelo Governo chinês.

Além desta medida, o Governo chinês também implementou limitações ao uso de aço e carvão nos próximos anos, para reduzir o impacto ambiental da produção industrial e continuar a melhoria da qualidade do ar. Beijing, a capital da China, conseguiu reduzir a poluição atmosférica em 20 por cento em 2017, e 35 por cento em relação a 2012.