A criação de corredores para certo tipo de veículos nem sempre é vista com bons olhos, pois retira sempre filas aos veículos usados como transporte individual. No entanto, é inegável que a sua introdução beneficiou a circulação do trânsito em muitas cidades. É o caso do corredor para transportes públicos, ou do corredor para bicicletas. Agora, este conceito vai ser aplicado à natureza, com uma área feita para salvaguardar a circulação de… tubarões.

A Fundación Pacifico, uma ONG sediada na Costa Rica, organizou uma expedição para filmar uma área do oceano que se estende entre a Ilha do Coco, junto a este país da América do Sul, e as Ilhas Galápagos, território administrado pelo Equador e que serve como área protegida para muitas espécies de animais, acima e abaixo da superfície. Esta expedição percorreu este corredor para filmar um documentário, notando que este corredor de 500 milhas marítimas (cerca de 900 km) tem uma alta densidade populacional de várias espécies de peixes, bem como de tartarugas e golfinhos.

O objetivo agora é usar este documentário para fazer um corredor que seja considerado protegido, mesmo em águas internacionais, e onde a circulação esteja limitada a vida selvagem, de modo a que o tráfego marinho não possa perturbar as viagens dos animais entre os dois grupos de ilhas. Outras organizações, como o Shark Conservation Fund (grupo especializado na proteção a várias espécies de tubarões), também estão dispostas a apoiar a criação deste corredor, já que três espécies deste tipo de peixes cartilaginosos, o tubarão-martelo, tubarão-raposo e tubarão-luzidio, foram as espécies mais observadas.