A Escócia quer tornar-se completamente independente do petróleo em termos energéticos, e para isso pretende aproveitar todos os recursos naturais renováveis à sua disposição, com o projeto Renewables Scotland 2030, que Niall Stewart, presidente da associação de empresas de energias renováveis escocesas, definiu como “aproveitar o que a Escócia tem de melhor: o nosso mau tempo”.

Os planos das autoridades escocesas são ambiciosos, mas estão em bom curso. A ideia é que, até 2020, toda a eletricidade do país seja feito a partir de energias renováveis, e o ano passado a Escócia já conseguiu atingir os 38 por cento. Até 2032, vão deixar de ser vendidos automóveis novos a gasolina e gasóleo. A Escócia já tem centrais eólicas espalhadas junto ao mar, e vai também começar a produzir energia a partir de uma central maremotriz, construída pela KeyGen, aproveitando a força das ondas.

A substituição de fontes de energia com origem fóssil por renováveis também vai ter uma componente social. O acesso a eletricidade e aquecimento é deficiente nas áreas longe dos grandes centros urbanos, e para isso o ano de 2030 significa não só 75 por cento da energia (sem contar com a eletricidade) deve ser de origem renovável, que a produção deve ser descentralizada, e que esta não deverá ser disponibilizada para obtenção de lucro, mas sim para melhorar a qualidade de vida da população.