EQC: Como a Mercedes-Benz está a desenvolver o seu elétrico da nova era

Pedro Junceiro
Pedro Junceiro
Editor Conteúdos

Será em 2019 que a gama EQ da Mercedes-Benz irá chegar aos mercados, propondo a entrada definitiva da companhia de Estugarda na era dos modelos 100% elétricos, depois das primeiras tentativas com o Classe B. Fazendo parte da estratégia CASE da Mercedes-Benz (acrónimo para Connected, Autonomous, Shared, Electric), o primeiro modelo da gama EQ será o EQC, um crossover que se encontra já em testes avançados de desenvolvimento entre o Norte e o Sul da Europa.

Entre janeiro e março, os engenheiros da marca estiveram no Norte da Suécia para cumprir ensaios de desenvolvimento com o EQC, seguindo daí para Espanha para testar componentes da suspensão e da motorização, bem como a resistência às temperaturas mais elevadas. Recorde-se que as baterias elétricas devem ser capazes de lidar com as diferentes temperaturas extremas, nomeadamente, entre o gélido inverno do Norte da Europa e o calor de locais como a Califórnia (Estados Unidos da América) ou o Sul da Europa.

O desenvolvimento deste modelo segue num novo caminho de digitalização, a qual cobre todas as áreas da projeção deste modelo, desde a simulação e validação das condições de construção à prestação em caso de acidente, aerodinâmica, comportamento, isolamento acústico, peso e o binómio consumo/autonomia.

Depois, os ensaios transferem-se do ecrã do computador para a estrada, onde a realidade de andamento continua a ser a melhor forma de avaliar os dados teóricos. A própria Mercedes-Benz indica que nenhum dos seus modelos entra em produção em série sem passar por um extenso programa de desenvolvimento em ambiente real. Trabalha-se, pois, na duração de componentes, como os da motorização.

No caso do EQC, garante a marca, está a ser prestada especial atenção à vertente elétrica, nomeadamente no que diz respeito ao motor e à bateria. É também por esta condicionante e pela ausência de ruído proveniente do motor que a marca tenta evitar que outros ruídos, como o dos pneus, invadam o habitáculo.

O rácio entre ensaios em ambiente digital e real é de 35% para 65%, combinando-se “o melhor dos dois mundos”, de acordo com a Mercedes-Benz, que aponta ainda para alguns dados curiosos, como a construção de cerca de 200 exemplares de protótipos e veículos de pré-produção para a realização dos ensaios de desenvolvimento. De Igual maneira, são diversas centenas os engenheiros de diversos departamentos que trabalham no desenvolvimento dos modelos.

Com cerca de quatro anos de desenvolvimento, o EQC chegará em 2019 como o primeiro dos modelos da marca EQ, seguindo-se outros automóveis elétricos.

Percorra a galeria de imagens acima clicando sobre as setas.