Cuidado, ultrapassar os limites de velocidade na estrada não tem o mesmo castigo em todos os lugares do mundo!
Se o plano de férias este ano inclui uma viagem de automóvel pela Europa, coisas que deve saber: muitas regras trânsito são comuns (em especial na União Europeia), mas outras variam de país para país, como é o caso da taxa de álcool permitida no sangue ou mesmo dos limites de velocidade nas estradas.

E, atenção, o mesmo acontece com as multas trânsito! Cada país tem o seu próprio sistema de cobrança coimas. Nalguns não convém mesmo nada arriscar, pois ter o pé pesado pode obrigar ao pagamento de autênticas fortunas!

Finlândia e Suíça, por exemplo, ostentam com orgulho o estatuto de países implacáveis no que respeita às sanções de trânsito. Enquanto em Portugal as coimas mais duras podem chegar aos 2500 euros, naqueles países não existem limites à aplicação de coimas, conhecendo-se, por exemplo, o caso de um automobilista que foi sujeito ao pagamento de uma multa no valor de 700.000 euros. O condutor de um Mercedes SLS AMG ‘caçado’ num radar a… 290 km/h.

Aconteceu na Suíça, onde anos antes o proprietário de um Ferrari Testarossa foi também obrigado a desembolsar qualquer coisa como 200.000 euros, por circular a 100 km/h numa zona limitada a 50 km/h.

Neste ranking dos países com mão pesada, há também o exemplo finlandês. Naquele país nórdico ficou famosa a história de uma família que teve de enfrentar os tribunais para recorrer da decisão de condenar um jovem de 27 anos ao pagamento de uma multa no valor de 170.000 euros por circular a 80 km/h no interior de uma localidade.

Mas o caso mais mediático foi mesmo o de um importante empresário que ameaçava abandonar a Finlândia depois de conhecer o valor da multa a que ficou sujeito quando foi intercetado a conduzir a 103 km/h numa zona com limite de velocidade de 80 km/h. O castigo foi a doer: 54.000 euros; 2.350 euros por cada km/h acima do permitido por lei!

Multas em função dos rendimentos

As impressionantes somas nestes casos têm uma explicação: na Finlândia, tal como na Suíça, as multas de trânsito são calculadas através de um sistema progressivo, com base nos rendimentos declarados pelo infrator.

Desta forma, o condutor é castigado em função do património, podendo a mesma infração resultar em coimas com valores totalmente diferentes.

O exemplo português

Só no ano passado, o Estado arrecadou 84,7 milhões de euros em multas de trânsito. Mas o sistema de coimas a aplicar em Portugal nada tem que ver com o modelo usado em países como a Finlândia ou a Suíça.

No nosso país para cada infração ao código da estrada existem limites máximos para as coimas aplicar; eis as infrações que mais pesam na carteira dos portugueses:

– Titulares de carta da categoria AM (ciclomotores até 50 cm3) ou A1 (ciclomotores e motociclos até 125cm3) a conduzir veículos de categoria diferente: 700 € a 3500 €.

– Conduzir veículo de categoria para a qual a carta não lhe dá habilitação: 500 € a 2500 €.

– Ligeiros e motociclos em excesso de velocidade superior a 80 km/h: até 2500 €.

– Taxa de 0,80 g/l e inferior a 1,20 g/l de álcool no sangue: 500 € a 2500 €