FOTO NASA

A NASA está preocupada com a preservação dos locais de alunagem das missões Apollo à Lua, caso outros países ou empresas privadas lancem missões lunares com o objetivo de colonizar o satélite natural da Terra. A agência espacial americana afirma que os objetos deixados na Lua continuam a ser propriedade do governo americano e locais de pesquisa científica ativa.

De acordo com um relatório do Congresso incluído no Ato de Transição de Autoridade da NASA, aprovado em 2017, “três missões Apollo continuam ativas cientificamente, e todos os locais de alunagem contêm a oportunidade para aprender sobre a exposição prolongada de objetos construídos por humanos ao ambiente lunar. Atualmente, existe muito pouca informação sobre o efeito de extremos de temperatura, poeira lunar, micrometeoróides, radiação solar, etc, nestes objetos”.

Tanto nações rivais como projetos financiados por agências privadas poderiam causar danos, acidental ou deliberadamente, a elementos deixados para trás, incluindo módulos de aterragem, rovers e outras estruturas e outros pequenos objetos, deixados para trás para poupar peso e combustível na viagem de volta. Por isso, o Governo americano espera cooperação por parte de outros países ou indivíduos relativamente a atividades planeadas na Lua, incluindo os signatários do Tratado do Espaço Sideral de 1967.