Na década de 1950, um dos motores mais impressionantes a ser utilizado num automóvel pertenceu à British Racing Motors (BRM), na forma de um bloco V16. Com uma potência que terá chegado aos 600 CV, este motor revelou-se tão intenso como pouco fiável, acabando por ser abandonado em virtude também da mudança de regulamentos na categoria. Numa série de continuação em relação aos originais da época, a marca anunciou que irá produzir mais três exemplares do P15 V16, o segundo dos quais foi confirmado para o colecionador e empresário Richard Mille.

Em comemoração do 70º aniversário da marca, a British Racing Motors anunciou recentemente que iria produzir três monolugares de continuação do P15 com motor V16 que competiu na Fórmula 1 no início da década de 1950.

Richard Mille, que detém ligações à competição através dos patrocínios da sua empresa de relógios, é o detentor da mais completa coleção de modelos originais da BRM, tendo na sua posse um BRM V16 Mk1 restaurado e um P30 V16 Mk2 em condição original.

“Sou um grande fã da BRM há anos, desde que comecei a colecionar carros históricos há mais de 15 anos, na verdade. Sabia que me estava a tornar num adepto sério da BRM quando investi num magnífico P115 H16 – mas há algo que acho particularmente fascinante no V16. Não só, a meu ver, é o mais belo carro de Fórmula 1 do seu tempo, mas é também o mais tecnicamente complexo, particularmente se pensarmos na tecnologia da época”, refere Richard Mille.

Com efeito, essa mesma complexidade do motor levou a que a sua performance em pista nunca fosse totalmente explorada, uma vez que se revelou frágil em competição. Os três BMW revivalistas estão a ser produzidos pelos especialistas na marca, Hall and Hall, utilizando os esboços e desenhos originais do pós-Guerra pertencentes ao arquivo da BRM.

Cada unidade do P15 é composta por mais de 36.000 peças individuais, pelo que a produção irá demorar cerca de 24 anos até ficar completa, embora a compensação pela espera seja um exemplar historicamente irrepreensível e correto com todas as especificações da sua época.

Mille ficará com o segundo dos novos exemplares para si, sabendo-se que o primeiro ficou com John Owen (na foto em baixo), filho do diretor da equipa original da BRM, Sir Alfred Owen.

O BRM P15 V16 para Mille está já em produção e irá seguir o mesmo processo levado a cabo para a concretização do primeiro, que foi terminada no início de setembro, com estreia dinâmica no emblemático Goodwood Revival, um dos mais importantes eventos de automóveis históricos do mundo.

A criação dos três novos BRM V16 só foi tornada possível pela descoberta de três números de chassis originais, descritos nos arquivos da BRM, que tinham sido reservados para os P15 de Fórmula 1 na década de 1950. Os carros nunca foram produzidos e os números de chassis caíram no esquecimento enquanto a formação abraçou outros desafios. Porém, por ocasião do 70º aniversário da BRM, foi tomada a decisão de produzir os três ‘novos’ carros, restando apenas um para venda.

Percorra a galeria de imagens acima clicando sobre as setas.