Vendas automóveis em Portugal com mais um ano de crescimento

Pedro Junceiro
Pedro Junceiro
Editor Conteúdos

O mercado automóvel teve um ano de crescimento, totalizando 7,7% de aumento em 2017 face ao ano anterior. Por marcas, a Renault voltou a liderar no mercado de ligeiros de passageiros, concluindo o ano com uma margem folgadíssima face às restantes classificadas do pódio, a Peugeot e a Volkswagen. No campo das Premium, a Mercedes-Benz levou a melhor, ficando também à ‘porta’ do top 3.

O mercado automóvel teve um mês de dezembro de ligeiríssima queda, perdendo 0,1% face ao período homólogo, com um abrandamento sentido em todos os setores, de acordo com os mais recentes dados da Associação Automóvel de Portugal (ACAP).

Ainda assim, no total de 2017, foram matriculados pelos representantes oficiais de marca em Portugal 266.386 veículos automóveis novos, o que representou um crescimento homólogo de 7,7% em relação ao ano anterior, um sintoma de recuperação do mercado nacional, mesmo que a sua estruturação seja agora diferenciada em relação ao período pré-crise. Isto porque, na atualidade, os setores de rent-a-car têm um peso maior do que o dos privados, muito embora seja igualmente um sinal da crescente importância do turismo em Portugal. Outra conclusão destes dados passa pela estabilização do mercado, uma vez que depois do pico mínimo de 2012 (113.435 automóveis vendidos), o mercado tinha vindo a subir de forma exponencial a cada ano até encontrar, em 2017, valores idênticos aos dos anos anteriores à crise de 2009-2013.

No que diz respeito ao mês de dezembro, foram matriculados 22.206 veículos automóveis, com os pesados a serem aqueles que tiveram a maior perda (um total de 11,8% a menos do que em igual período do ano passado), contribuindo dessa forma para o valor homólogo inferior em 0,1% face ao mês de dezembro de 2016.

Quanto aos ligeiros de passageiros, houve um aumento de 0,4% face ao mês homólogo de 2016, equivalendo a 17.058 unidades matriculadas, sendo que no cômputo do ano houve uma variação positiva de 7,1%, ou seja, 222.134 unidades.

Nos veículos comerciais ligeiros (VCL), houve uma ligeira quebra de 0,1%, sendo colocados em circulação um total de 4564 veículos deste género no mês de dezembro. No período de janeiro a dezembro, houve um aumento de 10,4% face a 2016, com o mercado a apresentar um total de 38.520 veículos matriculados.

Quanto ao mercado de veículos pesados, o qual engloba os tipos de passageiros e de mercadorias, em dezembro houve então uma queda de 11,8%, tendo sido comercializados 584 veículos desta categoria. No total do ano de 2017 as matrículas ascenderam a 5732 unidades, o que representou um acréscimo do mercado de 10,7% relativamente ao período homólogo de 2016.

Renault por larga margem

No que diz respeito ao mercado de ligeiros de passageiros, o ano de 2017 voltou a ter na Renault a grande dominadora, com a marca francesa a conseguir mais um ano de liderança em Portugal. Para todos os efeitos, a Renault alcança o seu 20º ano de liderança nacional, conseguindo mesmo um crescimento de 16,4% face a 2016, sendo aquela que, no top 10, alcançou o segundo maior crescimento no total de 2017 – apenas atrás da surpreendente Fiat.

Fiat foi a que mais cresceu no top 10

Com efeito, coube à marca italiana e a uma gama muito bem composta pelas prestações do Tipo, 500 e 500X a maior subida no top 10 do mercado automóvel, com 18,1% a mais do que no ano de 2016.

Peugeot consolidou segunda posição

Distanciando-se da Volkswagen, a Peugeot foi a segunda marca mais vendida de 2017, fazendo-se valer das prestações comerciais e aceitação de modelos como o 208, 2008, 308 e 3008, contribuindo estes para um resultado bastante positivo em que o crescimento foi de 6,3%. Caminho oposto fez a Volkswagen, com a marca de Wolfsburgo a perder 3,3% face a 2016, explicando-se pela chegada tardia daqueles que deverão vir a ser dois modelos determinantes para o sucesso dos próximos anos, o T-Roc e o Polo.

Mercedes-Benz quase, quase no pódio

A terceira posição da Volkswagen acabou por ser salva ‘in extremis’ perante a ameaça final da Mercedes-Benz, com a sua conterrânea a quedar-se a apenas 200 carros de roubar o lugar mais baixo do pódio. Com um crescimento de 6,3% face a 2016, a companhia de Estugarda volta a ter um ano muito positivo em solo português, consolidando a sua posição como a melhor marca Premium. Mesmo que a BMW tenha tido igualmente um período de crescimento com um aumento 1,9% nas vendas face a 2016.

Crescimento importante também para a Opel, que nutrindo os efeitos de chegadas de modelos como o Crossland X e Insignia, mantiveram a toada de aumento no ano que agora findou, com um total de 9,3% de crescimento. Num pelotão que se mostra bastante renhido, a Nissan ficou pouco atrás, sendo esta a terceira marca a ter um crescimento de dois dígitos em 2017 (+10,8%). O novo Micra e a renovação do Qashqai deram frutos positivos para a marca nipónica.

Seguiram-se a Citroën, que foi a nona marca mais vendida do ano, com um total de 9,5% e a contribuição dos C3 e C3 Aircross já a fazer-se notar, e a Audi, que encerra o top 10 com um total de 1,2% de aumento, o que acaba por ser um bom registo.

Ford e asiáticas na mó de cima

A Ford teve um ano também positivo, com um aumento nas vendas de 7,4%, ficando no 11º lugar da tabela de vendas, mostrando um bom efeito da chegada do Fiesta, tradicionalmente um bom exemplo de vendas em Portugal. Por outro lado, as marcas nipónicas voltaram a mostrar um ano de solidez, sobretudo as duas coreanas: a Hyundai (17ª) teve um crescimento de 37,2% e a Kia (15º) uma subida de 13,3%. A Toyota (12ª) e a Mazda (20ª) verificaram um aumento mais ligeiro de 1,6% e 5,8%, respetivamente, mantendo-se no caminho positivo em solo luso. Caminho inverso fizeram a Mitsubishi (22ª) e a Honda (23ª) com a primeira a cair 2,8% e a segunda um total de 33,1%, esta última com um resultado explicado também pela mudança de importador no nosso país em meados de 2016. A Suzuki também teve um ano muito positivo, com uma subida de 66,5% no ano passado, beneficiando de uma renovação de gama quase completa.

Dacia e submarcas Premium também em alta

Imitando os percursos das casas-mãe, Dacia (Renault), smart (Daimler) e MINI (BMW) tiveram também anos muito positivos, com a companhia romena (14ª) a ser das três a que mais cresceu, com um total de 22,1%. Se esta é mais low-cost, no espetro oposto encontram-se as outras duas marcas, com a smart (18ª) a crescer 3%, enquanto a MINI (19ª) cresceu 7,7%, esta última a valer-se da chegada do novo Countryman.

As outras Premium a subir

Nota, ainda para os resultados de Volvo (16ª) e de Alfa Romeo (25ª). Ambas terminaram 2017 com um bom registo, A Volvo subiu 5,5% no cômputo do ano, com os XC60 e V40 a serem de grande valia nesse aspeto. Já a marca italiana da FCA teve um crescimento de 24,2%, subindo por obra de modelos como o Giulia e o Stelvio. Num mercado menos expressivo, mas importante para cada uma das marcas, também Land Rover (24ª) e Jaguar (26ª) terminaram o ano em valores positivos, com a primeira a subir 9,6% e a segunda 10,3%.

E a marca que mais cresceu foi…

Como seria de esperar, as marcas mais exclusivas, pelo baixo volume de vendas, são aquelas que dão azo a recordes chamativos. Se se atender à marca que mais cresceu de 2016 para 2017, então resta dizer que essa denominação cabe à Bentley, que teve um aumento de 150%, fruto do aumento de quatro para dez unidades vendidas em 2017.

Dezembro Janeiro a Dezembro
Unidds % Unidds % % no mercado
2017 2016 Var. 2017 2016 Var. 2017 2016
Renault 2215 2492 -11,1 30112 25861 16,4 13,56 12,47
Peugeot 1587 1764 -10,0 21102 19854 6,3 9,50 9,58
Volkswagen 1208 1111 8,7 16473 17031 -3,3 7,42 8,21
Mercedes-Benz 1044 993 5,1 16273 15308 6,3 7,33 7,38
BMW 1149 784 46,6 14534 14261 1,9 6,54 6,88
Opel 954 1068 -10,7 13186 12066 9,3 5,94 5,82
Nissan 1140 1112 2,5 12975 11711 10,8 5,84 5,65
Fiat 762 700 8,9 12022 10176 18,1 5,41 4,91
Citroën 721 764 -5,6 10858 9914 9,5 4,89 4,78
Audi 1028 944 8,9 9614 9503 1,2 4,33 4,58
Ford 666 570 16,8 8752 8150 7,4 3,94 3,93
Toyota 733 992 -26,2 8530 8399 1,6 3,84 4,05
Seat 563 630 -10,6 8234 8319 -1,0 3,71 4,01
Dacia 706 552 27,9 6612 5414 22,1 2,98 2,61
Kia 353 297 18,9 5489 4843 13,3 2,47 2,34
Volvo 543 510 6,5 4605 4363 5,5 2,07 2,10
Hyundai 349 207 68,6 3476 2534 37,2 1,56 1,22
Smart 225 236 -4,7 3126 3034 3,0 1,41 1,46
MINI 184 187 -1,6 2800 2601 7,7 1,26 1,25
Mazda 200 217 -7,8 2766 2615 5,8 1,25 1,26
Skoda 180 236 -23,7 2280 2879 -20,8 1,03 1,39
Mitsubishi 114 136 -16,2 2126 2188 -2,8 0,96 1,06
Honda 137 176 -22,2 1517 2266 -33,1 0,68 1,09
Land Rover 46 67 -31,3 1035 944 9,6 0,47 0,46
Alfa Romeo 40 72 -44,4 888 715 24,2 0,40 0,34
Jaguar 38 40 -5,0 697 632 10,3 0,31 0,30
DS 47 49 -4,1 576 706 -18,4 0,26 0,34
Lexus 41 31 32,3 453 372 21,8 0,20 0,18
Suzuki 42 31 35,5 423 254 66,5 0,19 0,12
Jeep 25 8 212,5 289 172 68,0 0,13 0,08
Porsche 11 8 37,5 207 132 56,8 0,09 0,06
Maserati 1 2 -50,0 52 43 20,9 0,02 0,02
Ferrari 1 2 -50,0 20 17 17,6 0,01 0,01
Aston Martin 4 0 16 7 128,6 0,01 0,00
Bentley 1 0 10 4 150,0 0,00 0,00
Lamborghini 0 0 4 2 100,0 0,00 0,00
Lancia 0 0 2 35 -94,3 0,00 0,02
Lotus 0 0 0 5 -100,0 0,00 0,00
Total 17 058 16 988 0,4 222 134 207 330 7,1 100,00 100,00
Fonte: ACAP – Associação Automóvel de Portugal