Com uma maior preocupação em meios de transporte sustentáveis e confortáveis, há uma maior procura por bicicletas elétricas nos centros urbanos. Este é um setor onde a indústria chinesa, que tem bastante experiência em fornecer milhões de clientes de uma só vez, tem estado a dominar na Europa, de um modo que a União Europeia acredita que as marcas chinesas de bicicletas elétricas estão a fazer dumping no mercado.

Depois de queixas da EMBA (Associação de Construtores Europeus de Bicicletas), a União Europeia anunciou ter dado início a uma investigação onde encontrou provas relativas à prática de dumping de produtos, vendendo bicicletas abaixo do preço de custo de produção, uma prática considerada concorrência desleal. Mesmo sem um aumento correspondente de vendas, as importações de bicicletas elétricas da China aumentaram em 82% entre novembro e fevereiro, enquanto os preços baixaram 8%.

Suspeita-se que estes valores reduzidos são feitos com apoios fiscais à exportação, provenientes do governo chinês. Para prevenir esta entrada contínua de bicicletas a preços baixos, a União Europeia vai obrigar os representantes europeus a registar a entrada de todas as bicicletas elétricas chinesas na Europa, com a possibilidade de introduzir taxas alfandegárias com efeitos retroativos.