Créditos: Merseyside Fire & Rescue Service

Um incêndio num parque de estacionamento em Liverpool, no Reino Unido, na véspera do ano novo destruiu mais de 1000 automóveis sem, no entanto, causar vítimas mortais ou ferimentos graves a utentes ou transeuntes.

O fogo terá deflagrado de forma acidental com início apontado para as 16h30 de domingo, com um Range Rover Discovery a ser apontado como o causador do mesmo, de acordo com o jornal The Guardian. A mesma publicação dá conta ainda de que seis cães (quatro em carros no topo do edifício e dois no segundo piso) que haviam sido deixados nos carros foram resgatados com vida do ‘inferno’ que entretanto se transformou o estacionamento de Kings Dock, no dia 31 de dezembro do ano passado.

A estrutura com sete andares foi o local escolhido por muitos visitantes de um evento de hipismo internacional que decorreu na vizinha Echo Arena para deixarem os seus carros, pelo que estava bastante lotado no momento do incêndio. Dos cerca de 1400 veículos deixados no parque, a grande maioria foi completamente destruída, de acordo com citações do comandante dos bombeiros de Merseyside, Dan Stephens, também ao The Guardian.

Segundo este, apenas alguns carros na cobertura e nos cantos do edifício escaparam ao fogo, com Stephens a referir que a ausência de um sistema contra incêndios ajudou a que as chamas se propagassem de forma decidida. Responsáveis políticos, como o autarca de Liverpool, o Trabalhista Joe Anderson, apontaram o dedo à falta de meios para o combate às chamas, responsabilizando os cortes orçamentais dos últimos anos como causa para essa redução de meios.

Não obstante, Stephens lembra que o calor provocado pelas centenas de veículos a arder – devido aos materiais combustíveis – tornou ineficazes os métodos de combate às chamas com mangueiras, tendo sido necessário recorrer a bombas de alto débito (ligadas ao Rio Mersey) para combater as chamas.