Fórmula E: Diferença de visões sobre o mesmo acidente

Nicolas Prost e Nick Heidfeld têm diferentes opiniões sobre o acidente que custou pontos ao piloto da Mahindra na prova da Fórmula E na Cidade do México. Os dois pilotos, que foram companheiros de equipa na Rebellion no FIA WEC, estão em claro desacordo em relação à colisão ocorrida na corrida na prova mexicana, que não mereceu dos comissários desportivos qualquer sanção. “O Nico bateu no meu carro e depois foi uma grande confusão que me deixou no meio da pista. Penso que é bastante claro o que aconteceu e a prova são os estragos no meu carro”, afirmou Heidfeld sobre o acidente. Já para Prost o contacto teria sido evitando se tivesse tido mais espaço.”Tentei evitá-lo. Estava já na curva e não me deu espaço nenhum quando estava ao lado dele. Para mim ele ‘fechou-me’ completamente ‘a porta’, por isso acredito que os comissários viram isso”, defendeu o francês. Nick Heidfeld, que estava a caminho de um provável pódio na pista mexicana, acredita que o que esteve na génese do acidente foi o erro da Andretti – que fez António Félix da Costa e Robin Frinjs para nas boxes menos tempo que o minuto exigido pelos regulamentos. “A Andretti não recebeu a informação que o tempo de ‘pitstop’ mudou (de 50s para 60s). Tudo estava a ir bem quando de repente eu estava na linha de boxes e estava um carro da Andretti que não devia lá estar, pois demorou menos três segundos do que devia na paragem. O Diretor de Prova disse que quem está na linha de boxes tem prioridade. Por isso ele fez isto e criou uma reação em cadeia”, referiu o alemão. Heidefeld reitera ainda que António Félix da Costa também deu o seu contributo para o acidente, pois não deixou passar Sam Bird deixando pouco espaço para ele e Nicolas Prost. De referir que após a corrida Bird foi penalizado em dois segundos por saída pouco segura das boxes, mas isso não teve impacto na terceira posição, mitigada pelo abandono de Félix da Costa e a penalização a Robin Frijns.