Algarve Classic Festival: Triunfos repartidos no Historic Endurance

Os triunfos foram repartidos nas duas corridas do Historic Endurance em Portimão. Na primeira corrida do programa, o triunfo foi para Georg Nolte e Frank Stippler, com os portugueses a vencerem as classes H76, H71 e H-C. O Porsche 356 Speedster venceu o Índex Tourneur Vincent. Na segunda corrida, Michiel Campagne venceu em pista mas acabou penalizado e por isso o triunfo foi para o Ford GT40 de Walker e Griffiths, que desta forma herdam o triunfo. Mário Silva/Gonçalo Gomes foram os melhores portugueses.

Historic Endurance, 1ª Corrida: Vitória germânica

Pela manhã de sexta-feira disputou-se a qualificação da competição de endurance organizada pela Race Ready, com os três favoritos Ford GT40 a colocarem-se nas três primeiras posições para a primeira corrida do fim-de-semana algarvio, seguidos pelo estreante Merlyn MK4 de Carlos Barbot/Pedro Matis que haveria de sucumbir durante a corrida quando surpreendentemente liderava à geral.

Quarenta e nove concorrentes, de seis diferentes nacionalidades e divididos por cinco categorias, tomaram parte esta tarde à partida de uma corrida de cinquenta minutos que acabou por ficar à mercê do Ford GT40 de Frank Stippler/Georg Nolte, após os vencedores de 2016, Leo Voyazides/Simon Hadfield terem sido forçados a abandonar quando também eles seguiam na frente do pelotão. Assim sendo, o duo germânico repetiu assim o triunfo alcançado na edição de 2014 desta mesma prova.

Na segunda posição da geral e primeira da classe H65 terminou o Lotus Elan de Graham Wilson e David Pittard, a dupla britânica que no fim-de-semana transacto levou de vencida as “Masters Three Hours” do Estoril Classic. Capitalizando sobre o infortúnio dos pilotos da frente, o Cobra Daytona de Daniel Gibson completou o pódio à geral.

Motivados pela vitória na última prova em Jerez de la Frontera, Pedro Rezende Bastos e Miguel Pais do Amaral, em Porsche 911 3.0 RS, foram os melhores portugueses, finalizando no sexto posto da geral, triunfando assim na categoria H76.

A categoria H71 também teve um vencedor nacional. Alexandre Guimarães, em Lotus Elan, beneficiou do abandono prematuro do Porsche 911 ST do espanhol António Gutiérrez para realizar uma corrida tranquila na frente da classe, cortando a linha de meta com uma confortável vantagem sobre do BMW 2002 do duo francês Michel Renavand/Philippe Bonny e do Ford Escort RS 1600 de Mário Silva/Gonçalo Monteiro Gomes.

O piloto francês Tourneur Vincent, num elegante Porsche 356 Speedster, venceu o “Index Tourneur Vincent”.

No final da primeira corrida do fim-de-semana, Diogo Ferrão, o responsável máximo da Race Ready, realça o facto de: “ter uma conceituada dupla de pilotos das provas de clássicos, como é a Nolte/Stippler, a vencer a primeira das nossas corridas em Portimão, com um carro que é um marco histórico do automobilismo mundial, como é o Ford GT40, é a melhor forma de começar o fim-de-semana. Amanhã teremos mais uma corrida em que está garantido o espectáculo em pista com viaturas de eleição e em que o espírito das corridas de clássicos é verdadeiramente levado à letra.”

Historic Endurance, 2ª Corrida: Triunfo ‘herdado’

Miles Griffiths e Philip Walker (Ford GT40) venceram a segunda corrida do Iberian Historic Endurance no Algarve Classic Festival, numa disputa a três em que ao fim de 50 minutos os dois primeiros cortaram a linha de meta separados por menos de dois segundos e em que o primeiro carro a ver a bandeira de xadrez acabou por ser penalizado.

Com as viaturas de construtores norte-americanas a dominaram os acontecimentos desde o momento da largada, foi o exuberante Chevrolet Corvette de Michiel Campagne, que este ano já tinha vencido no Iberian Historic Endurance nas ruas de Vila Real, quem mais se evidenciou. O piloto holandês manteve uma toada muito constante e aproveitou a fraca oposição da concorrência directa na primeira metade da corrida para assegurar uma confortável vantagem que lhe viria a ser útil no final da contenda.

Apesar de ter cortado a meta no primeiro lugar, o piloto holandês foi penalizado em 30 segundos pelos comissários desportivos, por excesso de velocidade na via das boxes, caindo assim para a segunda posição, dando de bandeja a vitória na corrida ao Ford GT40 de Griffiths e Walker. O duo britânico rodou sempre nas três primeiras posições da corrida, mas só quando a prova caminhava para o seu término é que realmente se aproximou perigosamente do Corvette, no entanto, nunca esteve em posição de atacar a liderança.

Depois do contundente triunfo de ontem, o Ford GT40 de Georg Nolte/Frank Stippler não esteve hoje em condições de lutar pela vitória. Nolte foi incapaz de rodar entre os primeiros no seu turno de condução e apesar de Stippler ter imprimido um ritmo impressionante na segunda metade da corrida, o máximo que os pilotos germânicos conseguiram foi terminar no terceiro lugar, uma posição só possível porque o Cobra Daytona de Daniel Gibson, que chegou a liderar a corrida a três voltas do fim, foi obrigado a cumprir um “Drive Through” por desrespeitar os limites da pista. Apesar do castigo, o piloto britânico conseguiu ainda assim terminar no quarto lugar da geral e levar para casa o troféu de vencedor da classe H65.

Os melhores representantes portugueses na corrida foram Mário Silva e Gonçalo Monteiro Gomes. A dupla do Ford Escort RS 1600 fez uma corrida irrepreensível que os levou ao quinto lugar da geral e a uma merecida vitória na categoria H71. Desta vez Alexandre Guimarães (Lotus Elan) teve que contentar-se com o segundo posto da categoria, enquanto o BMW 2002 do duo francês Michel Renavand/Philippe Bonny voltou a subir ao lugar mais baixo do pódio.

Pedro Rezende Bastos e Miguel Pais do Amaral pareciam capazes de repetir hoje o triunfo de ontem na categoria H76, chegando a rodar no quarto lugar da geral. Contudo, o Porsche 911 3.0 RS acabaria por abandonar à sexta volta, abrindo as portas do primeiro lugar da classe ao Ford Escort RS 2000 de Rui Ribeiro. Hugo Guimarães (Porsche 911 3.0 RS) e Paulo Sousa (Saab Sonett III) perfizeram o “top-3” da classe.

O piloto paraplégico francês Tourneur Vincent, num Porsche 356 Speedster, que não deixa ninguém indiferente, voltou a vencer o “Index de Performance”.

Em jeito de balanço, Diogo Ferrão, o responsável máximo da Race Ready, afirmou: “Foram duas corridas interessantíssimas a nível desportivo e que cativaram a atenção dos espectadores do princípio ao fim. O feedback que eu recebi dos pilotos foi muito positivo e agora queremos terminar a temporada em alta com os 250 km do Estoril, uma prova que é cada vez mais um marco deste campeonato e das provas de automóveis clássicos em Portugal.”

Os 250 km do Estoril, que encerram a temporada de 2017 do Iberian Historic Endurance, estão agendados para o fim-de-semana de 11 e 12 de Novembro.