Comissária europeia afirma que os “carros diesel estão acabados”

Segundo Elzbieta Bienkowska, comissária europeia responsável pelas pastas do mercado interno, indústria, empreendedorismo e PMEs, “os carros diesel estão acabados” e “daqui a uns anos desaparecerão por completo”.

A responsável pela política industrial da União Europeia é da opinião de que os consumidores poderão desempenhar um papel tão importante como o dos reguladores na promoção da mobilidade eléctrica e identifica o reconhecimento da manipulação ilegal dos resultados de testes de emissões de NOx por parte da Volkswagen em 2015, como o momento decisivo para a mudança de mentalidade na Europa, “as pessoas perceberam finalmente que nunca teremos carros diesel completamente limpos, sem emissões de NOx”.

A admissão de culpa por parte da Volkswagen pode ter funcionado como um catalisador para uma revolução tecnológica no sector dos transportes rodoviários, de acordo com a qual, motores de combustão interna serão substituídos por alternativas electrificadas. A Europa está focada em manter a liderança no mercado global de automóveis ligeiros de passageiros, enfrenta concorrência dos EUA, onde a Tesla está sediada, e da China, um mercado que representa cerca de metade das vendas mundiais de veículos eléctricos.

Na semana passada, a legislação da UE foi alterada, a Comissão Europeia adquiriu o poder para penalizar os construtores automóveis até 30.000 euros por cada carro defeituoso e por ordens de recolha como parte de uma regulamentação mais centralizada, tornando-se assim mais parecida com a Agência de protecção Ambiental dos EUA.

Para além de critérios regulamentares mais restritos, a Comissão está a desenvolver uma iniciativa (incluindo financiamento) para promover o fabrico, na Europa, de baterias destinadas a veículos eléctricos. Este projecto está a ser implementado em conjunto com a indústria e conta com a participação de empresas como a BMW, Daimler e BASF. “Queremos ter as primeiras baterias fabricadas na Europa, tal como a totalidade da cadeia de valor”, afirmou Elzbieta Bienkowska. “É um projecto demasiado oneroso para ficar a cargo apenas de um Estado-Membro”.

Individualmente, os construtores europeus também estão a desempenhar um papel importante. A Volkswagen, que planeia vender 3 milhões de veículos totalmente eléctricos por ano a partir de 2025, já aplicou 40 mil milhões de euros em contratos com fabricantes de baterias.

No mercado europeu, a vendas de veículos eléctricos correspondem apenas a 1,5% do total, mas de acordo com a Bloomberg New Energy Finance, o valor ascenderá aos 5% em 2021 e disparará a partir de 2025.