F1: 2018 será o ano mais difícil de Hamilton?

Tem sido um início de ano atípico para a Mercedes e para Hamilton. A posição de força dominante na F1 tem sido claramente colocada em causa pelas performances da Ferrari e os homens da marca germânica sabem que têm pela frente uma época longa e dura.

Hamilton sabe disso e a luta pelo penta-campeonato com Vettel será mais renhida ainda que o duelo entre ambos na época transacta:

“Quem sabe o que a temporada irá trazer? Se continuar assim, vai ser muito difícil vencer. Mas se houver uma oportunidade, e se conseguirmos terminar no topo, teria um sabor ainda mais especial, pois esta é uma época ainda mais difícil que as anteriores. Perdemos performance desde Melbourne. Neste momento somos a segunda ou terceira equipa mais rápida e como tal, temos muito trabalho a fazer. Já provamos que conseguimos ficar unidos nos momentos difíceis e vamos continuar a trabalhar. Sei que todos vão continuar a dar o máximo possível.”

“Estamos a fazer tudo, juntamente com James Vowles , James Allison, o Niki e o Toto, tentando motiva-los ao máximo. Sabemos que áreas do carro precisam de ser revistas. Temos que manter uma pressão construtiva. Mas a equipa já tem pressão pois querem ganhar tanto quanto todos nós”.

O tipo de discurso da Mercedes neste início de época é mesmo de uma equipa que parece preocupada. A questão dos pneus, já anteriormente referida, é um dos pontos cruciais que a equipa precisa melhorar mas que, como Wolff disse, não é de solução simples e rápida. Mas a Mercedes tem colocado ao longo dos anos um ritmo de desenvolvimento forte, mesmo nas fases em que dominou. Os Flechas de Prata raramente foram apanhados desprevenidos e o esforço conjunto para continuar a melhorar tem sido uma constante. Embora o discurso possa ser preocupante, a realidade é que a Mercedes tem uma equipa fortíssima e que o mais certo é regressarem em força nos próximos GP.