F1: O que muda com as novas rodas?

Os novos regulamentos que estão a ser trabalhados para 2021, vão trazer muitas novidades. O grupo liderado por Ross Brawn está a tentar avaliar todos os pormenores para que os novos carros possam trazer de volta corridas ainda mais emocionantes, com mais lutas em pista e mais competitividade. Um dos aspectos que tem sido falado ultimamente é o uso de rodas maiores na F1, passando de 13 polegadas para 18, uma mudança que já há muito é pedida na F1.

Em 2014, a Pirelli usou o Lotus de Charles Pic para mostrar o efeito visual das rodas de 18 polegadas num carro de F1 e as reacções foram… mistas. Para alguns foi um choque, enquanto outros viram com algum agrado a mudança de visual. A bem da verdade, o carro escolhido não era propriamente o mais bonito da grelha nesse ano, mas ainda assim deu para entender melhor o que seria ter essa mudança.

O uso de rodas maiores é desejado já há algum tempo por dois motivos… Pelo aspecto visual e pela relevância no mercado automóvel. A F1 é das poucas categorias do desporto motorizado que mantêm as rodas com este tamanho, que prevalece há já uma vintena de anos. Na altura, as rodas de 13 polegadas foram implementadas para restringir o tamanho dos discos de travões dos carros, mas como esse é já um aspecto regulamentado, o tamanho das rodas podia perfeitamente ter mudado, mas tal não aconteceu por uma razão muito simples… as equipas não o quiseram.

A mudança para rodas maiores implica que as equipas tenham de desenvolver um sistema de suspensão completamente novo e diferente do que estão habituadas até agora. Actualmente, os pneus são parte integrante da suspensão e o seu tamanho é sempre tido em conta no que diz respeito à absorção de choques e aderência mecânica. As suspensões dos carros de F1 têm um curso mínimo e é o pneu que faz o resto do trabalho. Com pneus de 18 polegadas, os pneus terão paredes laterais muito mais pequenas o que implicará suspensões com um curso muito maior. Por um lado é benéfico pois as equipas poderão controlar melhor esse aspecto mas por outro implica rever todo o conceito de suspensões de F1 vigente há muito anos, com todos os gastos que isso implica.

Outra das zonas que seria afectada por esta mudança seriam os travões. Também por razões de estética, o aumento dos discos seria pertinente, além de permitir que os ductos de ar usados para os travões possam ter ainda mais eficiência, quer o arrefecimento quer na aerodinâmica do carro. Mas tudo isto implica um aumento de peso que as equipas vêm com desagrado.

James Allison, ainda na Ferrari, mostrou-se contra o uso de rodas maiores, afirmando que estas iriam aumentar o peso do carro e não trariam mais aderência. Outras equipas alinharam no mesmo discurso, embora algumas, como a McLaren, olhassem com mais abertura para esta solução. Por outro lado, se a F1 quer ser o pináculo do desporto motorizado, faz pouco sentido ter rodas com um tamanho que não faz sentido em qualquer outro lado, quer no desporto, quer comercialmente. A própria Formula E resolveu logo o assunto e usou desde início rodas com 18 polegadas.

A Pirelli vê obviamente a mudança com bons olhos, embora o desafio de fazer este tipo de pneus seja grande. Dependendo do apoio aerodinâmico dos carros, um pneu com uma zona lateral mais pequena, poderá ter tendência a querer sair da roda, devido as grandes forças laterais. Mas os italianos estão preparados, como disse o CEO da Pirelli, Marco Tronchetti Provera:

“Estamos abertos a essa mudança. Obviamente, que é preciso encontrar o regulamento certo e ter as equipas prontas para adotá-lo. Há uma série de questões de aerodinâmica, de suspensão, de travões que têm de ser analisadas. Quando as equipas estiverem prontas, estamos prontos. Para nós, é sempre tecnologia. Estamos felizes com as rodas de 13 polegadas, estamos felizes com rodas de 18 polegadas. Os pneus são mais visíveis, quanto maiores eles forem. Mas os desafios tecnológicos são diferentes.”

Parece certo que o aspecto dos F1 vai mudar novamente e forma radical. A mudança para chassis mais largos e pneus maiores foi boa e todos aprovaram, o Halo ainda hoje causa tonturas, mas já mostrou que o potencial para salvar vidas é real, e agora com a introdução de rodas maiores, o aspecto dos monolugares irá mudar ainda mais. Mas a F1 é evolução e também os fãs terão de evoluir e aceitar o novo aspecto, caso esta medida avance.

Fábio Mendes