Fiat-Chrysler esteve na mira da Geely

Notícias agora reveladas indicam que antes de avançar para a aquisição de uma quota na Daimler (onde é agora o maior acionista), Li Shufu também mostrou interesse no grupo italo-americano.

Nos últimos anos foram bastante recorrentes os rumores sobre a venda, fusão ou alienação de capital na FCA (Fiat-Chrysler Automobiles). O mais recente capítulo desta história envolve a Geely, mas tem uma particularidade. Ao contrário do que costuma acontecer, em que é o CEO do consórcio italo-americano, Sergio Marchionne, a tentar encontrar outros fabricantes para unir forças, desta vez a iniciativa partiu da outra parte, neste caso a companhia chinesa. Tudo se terá passado durante o Verão, antes de Li Shufu ter virado atenções para a Daimler, onde se tornou recentemente o maior acionista após adquirir 9,6% das ações. A expansão dos fabricantes chineses, e suas áreas de influência, para outros territórios tem sido incentivada pelos governantes locais, por considerarem esta internacionalização essencial para obter acesso a novas tecnologias e recursos.

Esta notícia vem dar força às informações difundidas durante o Verão, e que indicavam que a FCA tinha recebido uma proposta de um fabricante chinês. Mas, ao contrário do que se pensava na altura, não terá sido a Great Wall (que confirmou apenas interesse na Jeep) a avançar, sendo a Geely responsável pela tentativa de aquisição. O negócio terá sido, no entanto, abortado devido a um diferendo na avaliação da empresa, pois as duas partes tinham em mente valores diferentes para o que valerá a Fiat-Chrysler após o final do atual plano estratégico a cinco anos, que termina precisamente em 2018. E a oportunidade para os chineses entrarem no capital do grupo italo-americano terá passado, pois na última conferência de apresentação de resultados Sergio Marchionne veio dizer que já não existe a necessidade de encontrar parceiros para garantir a continuidade da empresa.

Fonte: Automotive News e Jalopnik