A história do Ferrari Dino soterrado num quintal

a carregar vídeo

Um Ferrari Dino 246 GTS de 1974 foi desenterrado de um quintal, em 1978, quando duas crianças se entretinham em escavações, no jardim em frente da casa dos pais, em Los Angeles, na Califórnia, Estados Unidos.

O proprietário de então do veículo, Rosendo Cruz, canalizador de profissão, contratara, em 1974, alguns ladrões para roubar o Cavallino Rampante e atirá-lo para o fundo do oceano, num plano cujo intuito passava por receber dinheiro da seguradora.

Os larápios optaram, ao invés, por o enterrar num lugar seguro, para, mais tarde, poder desenterrá-lo e ficar com ele; porém, acabariam por não mais regressar ao local e a berlinetta permaneceu soterrada no quintal durante quatro anos.

Em 1978, pouco tempo depois de a respectiva família se ter mudado para a nova habitação, o Dino foi descoberto pelos dois petizes no decurso das brincadeiras. A polícia foi chamada e o automóvel trazido à luz do dia.

A viatura acabou por ser leiloada publicamente e vendida por um valor estimado entre os cinco mil e os nove mil dólares. Foi comprada e restaurada para a sua condição original por Brad Howard, um mecânico californiano.

Este amante de motores do Golden State, que na matrícula do seu veículo exibe a inscrição “DUG UP” (o mesmo que dizer “desenterrado”), costuma, hoje em dia, levar o desportivo italiano a encontros de clássicos e aprecia participar em exposições de automóveis.