O superdesportivo que quer envergonhar a Bugatti

Em declarações à imprensa no Salão de Detroit, tanto o proprietário da marca sueca como a fornecedora dos pneus para o Agera RS confirmam que o registo das 300 milhas por hora, anunciada pelo Hennesey F5, não representa um problema para o desportivo que tem vindo a assumir como tarefa principal envergonhar a Bugatti.

Se fosse preciso escolher o superdesportivo do ano de 2017, o vencedor seria claramente o Koenigsegg Agera RS, dada a forma como humilhou a Bugatti, primeiro esmagando a marca do Chiron para os “0-400-0” e depois atingindo um novo recorde de velocidade para modelos de produção ao ultrapassar o Veyron. E se uma frase utilizada nos livros do Asterix, herói da pátria do Chiron, é que “esses gauleses estão loucos”, bem podemos dizer que os suecos não lhes ficam nada atrás. A comprovar isso ficam as declarações do CEO da Koenigsegg, e também da empresa que fornece os pneumáticos para este bólide, a Michelin, de que a fasquia das 300 milhas por hora, o equivalente a 480 km/h, não é uma miragem para o carro.


Saiba onde o Koenigsegg Agera RS bateu o Chiron nos 0-400-0


A pergunta terá tido origem no novo adversário oriundo dos Estados Unidos, o Hennesey F5, que prometeu atingir esse registo de velocidade. E, segundo o ‘boss’ Christian Van Koenigsegg, e também para o responsável de produto da Michelin, Eric Schmedding, os 480km/h são meta alcançável para o Agera RS de 1160cv e 1280Nm. Afinal, tanto o superdesportivo como a borracha podiam ir mais além dos atuais 434km/h registados, como foi explicado.

“Se alguém quiser fazer o recorde, é possível. Para o carro íamos precisar de mais RPM e mudanças mais longas, mas podíamos ir às 300MPH já hoje”, disse o CEO. No entanto, ele não deixa de evidenciar que essa tarefa representa um perigo real, devido aos imprevistos que podem surgir. “É assustador e muito perigoso ir até essas velocidades, pois existem muitos fatores incontroláveis, como animais, vegetação na estrada, lombas, o vento. É alcançável, mas não é o nosso objetivo”.

Para a Michelin, também existe espaço de manobra para os Pilot Sport Cup 2 suportarem ainda mais agressividade. Schmedding explica que “os pneus não estavam sequer próximos dos limites”, mesmo tendo em conta que nunca foram pensados para os 434km/h que alcançaram com o Agera RS. Mas, para ir mais além, é necessário estudar… “A temperatura pode subir rapidamente a essas velocidades, e é quando eles entram em falha. A grande questão é quão rápido se chega lá. Se o carro atingir os 434km/h mas depois levar cinco minutos para chegar aos 480km/h, não vai funcionar. Portanto, para ir além das 300 MPH é preciso fazer validações adicionais”.