A autonomia real de oito dos elétricos mais vendidos na Europa

Os fabricantes de automóveis elétricos garantem uma determinada autonomia dos seus modelos. Se é certo que depende do pé direito do condutor, também é verdade que a estimativa tem em consideração diferentes parâmetros, entre os quais precisamente o estilo de condução. Saiba qual é a autonomia real e a eficiência dos oito elétricos preferidos dos clientes europeus.

A discrepância entre o que é anunciado e a realidade poderá ser eventualmente considerável, da mesma forma que o consumo médio estimado dos automóveis recorrentes a motores Diesel ou a gasolina pode não corresponder ao expectável. O meio de comunicação alemão AutoBild testou oito elétricos em condições “reais”: uma viagem de 143 quilómetros com os automóveis carregados ao máximo e aquecidos antes do percurso, o ar condicionado ligado a uma temperatura de 21ºc e o aquecimento do banco do condutor ativo durante 20 minutos. Eis os resultados da experiência.

Se o Hyundai Ioniq surpreende pelos valores de eficiência – 14.6 kWh/100 km – e se registam bons resultados em relação ao Renault ZOE e ao Volkswagen e-Golf – 16.8 kWh/100km e 17.2 kWh/100km respetivamente – destacam-se no outro ponto da tabela o e-NV200 Evalia, o Volkswagen e-Up e o Opel Ampera. O citadino elétrico da Volkswagen e o da Opel não chegaram a completar o percurso. O e-NV200 Evalia é que apresenta uma eficiência menor, 23.8 kWh/100km, ainda que se ressalve que se trata de uma viatura de maiores dimensões em relação aos outros sete concorrentes.

Nota: os resultados estão organizados por ordem de eficiência.

Percorra a galeria de imagens acima clicando sobre as setas.