Europeus ainda acreditam nos motores de combustão interna

O estudo ‘Mazda Driver Project’ revela que perto de 60% dos condutores europeus perspetivam um futuro positivo para os motores a gasolina e gasóleo. E a condução autónoma também não agrada à maioria…

Numa altura em que os fabricantes procuram alternativas e estabelecem metas para a eletrificação dos seus modelos, os consumidores de vários mercados europeus ainda acreditam nos motores de combustão interna. Os dados compilados pelo estudo ‘Mazda Driver Project’, realizado pela Ipsos MORI e compilados a partir das respostas de 11.008 consumidores dos principais mercados europeus, indicam que, em média, 58% dos inquiridos acreditam que “os motores a gasolina e gasóleo ainda vão evoluir e melhorar muito”.

Mazda Vision Coupé

Esta opinião contrasta com o augúrio de muitas organizações que não crêem que o futuro dos automóveis passe pelos motores de combustão interna. De realçar que a percentagem da resposta favorável aos propulsores a gasolina e gasóleo ascende aos 65% na Polónia e supera os 60% na Alemanha, Espanha e Suécia. O estudo destaca ainda que 31% dos condutores acreditam que “os carros a gasóleo irão continuar a existir”, em simultâneo com a crescente adesão aos elétricos. A este propósito 33% dos inquiridos revela que se os custos de utilização fossem os mesmos aos de um automóvel elétrico, continuariam a dar prioridade a “um carro a gasolina ou a gasóleo”.

Leia também: Mazda pretende conquistar Genebra

Mantém-se também a resistência aos autónomos. Apesar do investimento crescente nestes automóveis, apenas 33% dos condutores “acolhem favoravelmente o surgimento dos carros com condução autónoma”, uma percentagem que baixa para os 25% em França e na Holanda.

A Mazda, recorde-se, investiu no desenvolvimento do Co-Pilot Concept, que recorre a tecnologias e condução autónoma, e do motor SkyActiv-X, o primeiro bloco a gasolina disponível comercialmente, a nível mundial, que utiliza a ignição por compressão. Este motor promete maximizar o desempenho ambiental, reforçando a performance, um desenvolvimento que integra o plano estratégico da marca “Sustainable Zoom-Zoom 2030”.

Saiba como a Mazda está a revolucionar os motores

“Os resultados do estudo são fascinantes. Toda a base da nossa campanha ‘Drive Together’ consiste no prazer de condução, e parece mesmo que os condutores europeus estão a contar com o motor de combustão interna ainda por muitos e bons anos. Pela nossa parte, estamos empenhados nesse mesmo objectivo de tornar a experiência de condução ainda mais enriquecedora para os automobilistas de todo o mundo”, considera Jeff Guyton, CEO da Mazda Motor Europe.

“O nosso objectivo é uma sociedade motorizada livre de acidentes de trânsito. Para o atingir definimos três factores chave: em primeiro lugar, continuamos a avançar nos princípios fundamentais de segurança em toda a nossa gama: posição de condução, disposição dos pedais, visibilidade e o nosso Active Driving Display; em segundo lugar, estamos constantemente a desenvolver, a actualizar e a disponibilizar de série diversos sistemas de segurança avançados, tais como o Blind Spot Monitoring; por fim, pretendemos que o Mazda Co-Pilot Concept, que utiliza tecnologias de condução autónoma que permitem aos condutores utilizar o automóvel em total paz de espírito, esteja disponível de série a partir de 2025″, revela o responsável.

A Mazda considera que, apesar do desenvolvimento de tecnologia de condução autónoma, as pessoas querem continuar a conduzir, um facto reforçado pelos resultados deste estudo. A esse exemplo, 69% dos condutores, em média, “espera que as gerações futuras continuem a ter a opção de conduzir automóveis”, uma percentagem que aumenta para os 74% na Polónia e para os 70% ou mais no Reino Unido, Alemanha, França e Suécia.

Leia também: Novo Mazda 3 resultará deste Kai Concept e estreará motor Skyactiv-X

Percorra a galeria de imagens acima clicando sobre as setas.