Quase seis décadas depois, um automóvel com as especificações norte-americanas foi registado em Cuba

Num país em que a paisagem automóvel é uma das mais peculiares do mundo, com máquinas que primam pela longevidade graças à capacidade de improviso dos seus proprietários, a Infiniti proporcionou um regresso duplo àquele país.

Na prática, além do Q60, um coupé desportivo pensado especificamente para o mercado dos Estados Unidos, este foi também o regresso de Alfonso Albaisa, diretor executivo de design da Infiniti, a Cuba para visitar o local de nascimento dos seus pais.

O executivo, que gere a vertente de design de todos os estúdios mundiais a partir do Japão, cresceu em Miami, nos EUA, tendo esta sido a primeira oportunidade para visitar o país dos seus pais. Foi, também, a primeira vez que conseguiu apreciar a arquitetura do seu tio-avó Max Borges-Recio, incluindo o Tropicana, o Club Nautico e a própria habitação de Borges Recio.

Com um motor 2.0 turbo de 208 CV de potência ou um V6 de 3.0 bi-turbo de 300 CV ou de 400 CV, o Q60 coupé acabou por ser um chamariz para os olhares de dezenas de cubanos que não têm grandes possibilidades de ver estes modelos contemporâneos.