Austrália: De barco até a uma das praias mais famosas do mundo

Francisco Sande e Castro
Francisco Sande e Castro
Jornalista e Escritor

Para o segundo dia que fiquei em Airlie Beach tinha reservado um passeio num velho barco à vela que incluía irmos até Whitsunday Island, onde existe uma das praias mais famosas e fabulosas do mundo, Whithaven Beach. A praia, de uma areia muito fina e branca, faz uns recortes que formam uma espécie de lagoas com diferentes tons de azul turquesa, conforme a profundidade. A vista do alto da ilha é, simplesmente, deslumbrante.

Estivemos na praia umas duas horas e voltamos a bordo para almoçar. De tarde fomos fazer “snorkling” para uma ilha perto. Fazendo aquelas ilhas parte do Great Barrier Reef a fauna marítima e, principalmente, os corais, são fabulosos com variações de cores e texturas constantes.

Neste passeio conheci uma escocesa giríssima, tatuada nos braços e pernas e com nariz, orelhas e boca atravessados por piercings. Uma viagem fantástica no velho veleiro que começou às sete e meia da manhã e só acabou com o pôr do sol, à seis e meia da tarde. Inesquecível.

Deixei Airlie Beach pelas dez horas da manhã seguinte. Um australiano que conheci no acampamento recomendou-me Yeppoon, a pouco mais de quinhentos quilómetros de distancia e foi para aí que vim.

O parque de campismo é fantástico porque se estende ao longo de uma estreita faixa costeira mesmo em cima da praia. Aqui já não há as alforrecas que têm aterrorizado o norte do país e mal acordei tomei um banho de mar fantástico. Depois do pequeno almoço ainda fiz uma máquina de roupa (não é assim que elas dizem?) antes de partir conhecer a zona. Fui visitar umas grutas que não eram nada de especial e parti para almoçar numa vila mais a Sul que é um parque natural, Emu Park, com enormes praias rasas onde a maré avança uma boa centena de metros.

No dia seguinte acordei cedo e, ainda não eram sete da manhã já estava a dar um mergulho na praia. Parti depois a caminho de Seventeen Seventy, a pouco mais de 200 Km. Já lá perto parei para almoçar num típico pub Australiano onde os clientes estão ao bar de chapéu de abas largas. Era numa pequena vila e alguns dos homens vieram perguntar-me de onde era a matricula da moto e desejar-me boa viagem. Aqui na Austrália ligam pouco à moto e muitos, quando lhes digo que vim de Portugal, não acreditam.

Respondem: “pois, está bem. Aqui na Australia começou onde?”

______________________________________________________________________

*Francisco Sande e Castro está a dar a volta ao mundo de moto e M24 publica o seu diário de bordo. Acompanhe-o nesta grande aventura

ler + em Volta ao Mundo em Crosstourer