24 Horas de Le Mans, Pedro Lamy: “A prioridade é terminar a corrida”

Pedro Lamy já não vence a categoria GTE Am em Le Mans desde 2012. Nos últimos anos a prova não tem tido o desfecho que o piloto pretendia, por isso levar o Aston Martin Vantage nº 98 ao triunfo em La Sarthe no dia 18 seria “o ideal”. “Numa prova de 24 horas tudo pode acontecer. No ano passado estávamos bem mas depois tivemos problemas. Há dois anos estivemos mais próximos. Quando vencemos não tivemos problemas. Tivemos várias situações mais ou menos difíceis mas, de facto, não tivemos grandes problemas”, afirma o piloto português.

Para a prova de 2017 Lamy não sabe ainda qual a estratégia a adotar e nem sequer de quem esperar maior oposição: “Numa prova de 24 horas é difícil saber o que esperar. Ainda não combinámos uma estratégia de corrida. Não sabemos exatamente qual o nosso andamento em relação aos adversários. No teste estivemos um bocado ‘às escuras’. A prioridade vai ser estar preparados para a corrida. É longa e tudo pode acontecer.”

O piloto da Aston Martin Racing refere que o ritmo de prova é algo que não se pode antecipar, embora espere que as primeiras voltas sejam “as mais intensas”, porque é o que normalmente sucede, “mas muitas vezes há equipas que vão numa atitude mais defensiva”. “Não decidimos o que vamos fazer. Também não sabemos qual vai ser o nosso andamento. Não há uma regra para isto. Em termos de objetivos o principal é terminar. Logicamente que é importante tentar evitar todos os problemas. Se os evitarmos podemos pensar numa boa situação onde podemos pontuar bastante e isso é muito importante para o nosso campeonato”, refere Pedro Lamy.

“Nos últimos anos perdemos campeonatos por causa de Le Mans, porque não terminámos a corrida, por isso é importante terminar e pontuar. Normalmente os que acabam sem grandes problemas terminam bem classificados desde que o carro esteja minimamente competitivo”, remata o piloto português.