Dakar: Marcas podem ser obrigadas a usar 4×4 e motores turbo a gasolina

Nasser Al-Attiyah (QAT) of Toyota Gazoo Racing SA races during stage 02 of Rally Dakar 2017 from Resistencia to Tucuman, Argentina on January 3, 2017 // Marcelo Maragni/Red Bull Content Pool // P-20170103-00299 // Usage for editorial use only // Please go to www.redbullcontentpool.com for further information. //

O Rali Dakar poderá vir a admitir apenas construtores que alinhem com carros de quatro rodas motrizes e equipados com motores turbo a gasolina a partir de 2019.

Um plano foi acordo para uma reunião do Grupo Estratégico da FIA e representantes dos principais envolvidos no Campeonato do Mundo de Todo-o-terreno – Peugeot, Toyota Overdrive e X-Raid Mini.
O novo regulamento da FIA destina-se a relançar o ‘Mundial’ de Todo-o-terreno, mas não é completamente claro que efeito terá no Dakar.
A prova ‘rainha’ do TT mundial é organizada pelo ASO, que deverá seguir as regras das FIA. O que tem implicações na qualidade e no número de participantes no evento que atualmente se realiza na América do Sul.
Os novos regulamentos da FIA significam alterações para os três construtores envolvidos no todo-o-terreno mundial, desde que as regras lhes permitiam continuar a participar.
A Peugeot dominou as duas edições mais recentes do Dakar com carros que são de tração traseira e utilizam motores turbodiesel, um tipo de propulsores que também utiliza a X-Raid Mini, ainda que recorrendo a tração integral.
Já a Toyota recorre a um motor a gasolina atmosférico e a Hilux também é uma 4×4, apesar da Overdrive estar a desenvolver uma versão Evo de duas rodas motrizes.
As marcas já reagiram a esta novidade, com a Peugeot a dizer que precisa de pelo menos três anos para desenvolver um projeto que preencha os requisitos deste novo regulamento, e a Overdrive Toyota a admitir que para ela tudo será mais fácil.

Nuno Barreto Costa/Autosport