E a diferença mais curta na história da F1 foi …

Foi precisamente há 31 anos, que Ayrton Senna bateu Nigel Mansell por apenas 14 milésimos de segundo no GP de Espanha de 1986, naquela que muitos julgam ser a diferença mais pequena entre primeiro e segundo na história da Fórmula 1. Mas não é… e já lá vamos!

Jerez de la Frontera 1986 foi uma corrida de 300 km decidida ao …centímetro. Ayrton Senna e Nigel Mansell necessitaram de ‘photo-finish’ para saber quem tinha ganho, mas esse foi somente o culminar de uma das corridas mais emocionantes da história da F1. 14 milésimos de segundo, apenas, separaram ambos, de tal forma que o inglês queria ver uma foto que lhe provasse que tinha perdido. Para Senna esta foi apenas a terceira vitória da sua carreira, curiosamente a primeira em que a pista estava totalmente seca.

A diferença mais curta da história da F1 sucedeu no GP dos EUA de 2002, e foi de 0.011s entre primeiro e segundo. Michael Schumacher e a Ferrari tinham dominado por completo o GP dos EUA, que estava destinado a terminar com dobradinha Ferrari, mas acabou por ser Rubens Barrichello a vencer na frente de Michael Schumacher, pois quando a Ferrari se preparava para outro final lado a lado, como na polémica Áustria, na tentativa de colocarem os carros o mais juntos possível, bateram o recorde de 1986 de Senna e Mansell, 0.011 segundos, mas com um pequeno detalhe. Era Barrichello que tinha ficado na frente. Basicamente, uma redenção do que sucedeu na Áustria, nesse mesmo ano. Mais uma vez, ninguém gostou do que viu…