Volkswagen troca pequenos diesel pelos híbridos

Esta aposta deve ser confirmada em 2018, quando for revelada a 6ª geração do Polo.

A Volkswagen suspendeu o programa de desenvolvimento de um novo motor 1.5 TDI, planeado para a próxima geração do Polo que chega em 2018, pois decidiu focar-se no desenvolvimento de uma nova motorização híbrida que combina um motor a gasolina com o sistema elétrico de 48 volts. O objetivo inicial seria juntar este 1.5L turbodiesel ao novo motor a gasolina 1.5 TSI EVO que foi introduzido com o renovado VW Golf, mas os custos associados a este novo propulsor devido aos limites de emissões cada vez mais restritivos, aliados ao decréscimo da procura por estes blocos a gasóleo no segmento B do mercado europeu, levaram a marca a escolher um novo rumo.

Isso mesmo foi explicado pelo responsável de pesquisa e desenvolvimento da marca alemã, Frank Welsch, que afirmou que “o acréscimo de custos é entre 600€ e 800€ só para o sistema de tratamento de gases. É tão caro como o próprio motor”. Embora os diesel de maior cilindrada, como o 1.6 TDI que se encontra na gama do Golf, permaneçam no portefólio do fabricante germânico, também o período de vida destes propulsores será curto. “Três a quatro anos, talvez cinco”, indica Welsch.

Estas razões explicam a aposta nas motorizações híbridas, com o responsável de pesquisa e desenvolvimento da VW a referir ainda que “num período de tempo não muito longo, as pessoas vão optar pelos motores a gasolina com sistemas híbridos”. Tudo porque eles são a solução para lidar com as normas de emissões que vão ser mais apertadas, já que Frank Welsch indica que “no fim de contas, um híbrido é mais barato e tem as mesmas emissões de CO2 que um pequeno diesel mas com muito menos óxido de azoto [NOx]”. E a solução serão os sistemas elétricos de 48 volts. “Na maior parte dos casos será um sistema híbrido de 48V para recuperação. O nosso último sistema já desenvolve quatro vezes mais energia em recuperações”.

Desta forma o atual 1.4 TDI, disponível com 75CV, 90CV e 105CV, deve sair da gama na próxima geração do Volkswagen Polo. No entanto, nem tudo são más noticias para os fãs destas motorizações, pois o líder do mercado europeu afirma que os motores a gasóleo de maior cilindrada, como o 2.0 TDI EA288, vão continuar a ser uma aposta. “Os 2.0L têm claramente um grande futuro. Dentro de ano a ano e meio vamos ter uma nova geração”, que poderá vir a ser designada como EA288 EVO. Sem se alongar com pormenores sobre este novo motor, Frank Welsch indicou já que ele “será muito bom no que se refere às emissões de CO2”.

Nuno Fatela

Fonte: Autocar