Speedy Motorsport de Pedro Salvador com estatuto de caloira nos ralis

No princípio foi a velocidade e a velocidade era tudo para Pedro Salvador, piloto; campeão nacional com uma dezena de títulos conquistados, incluindo seis de montanha. Agora a nova aventura é uma estrutura para os ralis – a Speedy Motorsport

Estávamos em 2015 e, dois anos volvidos, por todo-o-terreno e com Pedro Ferreira (VW Amarok) se estendeu a atividade da estrutura sediada em terras da Maia. No portefólio de atividades e envolvimento em campeonatos, chegou a vez de nele serem incluídos os ralis. Em três anos apenas, a Speedy Motorsport marcou, assim, presença nos campeonatos nacionais de velocidade, montanha, todo-o-terreno e, agora, ralis

O Rali Serras de Fafe foi o (exigente) palco de estreia e logo com três Ford Fiesta R5, para os pilotos João Barros, Elias Barros e para o regressado José Carlos Macedo.

Problemas, infelizmente, não faltaram, regra geral provocados por despistes, neste primeiro grande teste que acabou por ser, efetivamente, de “fogo».

No vistoso e muito preenchido parque de assistência da prova organizada pelo Demoporto, o espaço da Speedy Motorsport era a novidade absoluta, entre equipas e estruturas, portuguesas e espanholas, que têm marcado presença habitual nos ralis nacionais: “A ideia surgiu e houve que trabalhar, pois é a forma como encaro esta atividade», explicou Pedro Salvador ao Motor24.

“Tivemos apenas três semanas para decidir e concretizar, reunindo a máxima informação possível, uma vez que no terreno a ação é diferente. Enquanto nos circuitos, o trabalho é mais tranquilo, nos ralis trabalhamos durante o período de assistência sob pressão máxima. Se o problema está ou não resolvido, resulta maior ou menor pressão nessa corrida contra o tempo. No fundo, é uma quantidade de trabalho diferente”, comparou.

Para o líder da Speedy Motorsport, “os princípios seguidos são idênticos aos de qualquer outra disciplina. É necessário, acima de tudo, reunir meios humanos de qualidade, com experiência para assegurar a desejada competência técnica. Comigo no comando, tem de haver, acima de tudo, atitude e educação”, sublinhou Pedro Salvador.

Para fazer face a este envolvimento nos ralis, a estrutura humana foi aumentada, com a entrada de mais um mecânico a tempo inteiro. Nos ralis, o total de efetivos é de 15 elementos para tratar dos três carros. No corpo técnico, a presença de Teófilo Tuna “Té”, ligado há muito à equipa, é uma inegável mais-valia.

João Barros, que optou esta temporada por apostar na Speedy Motorsport é, de algum modo, o piloto de ponta, mas adiantou que só deverá participar em alguns ralis,

Senhor de muita experiência no mundo das competições, de que tanto gosta, Pedro Salvador admitiu que “fizemos um investimento como gostamos de fazer. Foi um risco assumido, mas esperamos ter o mesmo sucesso”, confessou o team manager da Speedy Motorsport, uma estrutura que veio, sem dúvida, enriquecer o panorama nacional dos ralis, num sinal inequívoco do interesse em torno do campeonato de que se fala: com nomes sonantes, carros da última geração e estruturas profissionais de elevado nível, como é o caso da Speedy Motorsport.