Recorde por acidente para o Ford GT

a carregar vídeo

Saiba como conseguiu a marca o novo tempo mais rápido no circuito de Virginia e desfrute também do vídeo com a reunião de oito modelos da Ford Performance e oito pilotos da Ford GT em pista…

A Road& Track apresentou um artigo bastante curioso e que nos revela a história de um insólito recorde para o Ford GT. O caso revela que tudo começou com a ida às pistas de um exemplar, confiado a Billy Johnson, piloto que ajudou no desenvolvimento da versão de pistas e de estrada do superdesportivo, de forma a detetar um problema que havia sido encontrado em outra unidade da exclusiva produção. No entanto, enquanto procurava descobrir o que acontecera, foi possível conseguir o melhor tempo por volta para o Circuito Internacional de Virginia, superando o Dodge Viper.

A história surge-nos no mesmo dia em que a marca resolveu publicar um vídeo a revelar a experiência no Motorland, perto de Barcelona, que juntou oito veículos da Ford Performance e oito pilotos que defendem as cores da oval azul nos campeonatos de resistência. Essa obra, que pode encontrar logo acima, apresenta-nos os F-150 Raptor, o anterior e atual Fiesta ST, o Focus RS (não o que serve como táxi na Noruega…), os Mustang GT e GT350R e as versões de estrada e pista do GT. Com o volante entregue a oito ases da Ford Chip Ganassi Racing Team (Andy Priaulx, Harry Tincknell, Olivier Pla e Stefan Mücke do WEC e Dirk Müller, Joey Hand, Richard Westbrook e Ryan Briscoe do IMSA WeatherTech Sportstcar), esta é uma verdadeira reunião de família. O resultado final, obtido com as gravações de 16 GoPro e um drone a cargo de três equipas de filmagens é também espetacular e revela todo o poder dos Ford Performance.

Voltando ao recorde por acidente do Ford GT em Virginia, ele foi alcançado com um tempo de 2:38.62, o que significou quase um segundo e meio retirado à marca anterior do Dodge Viper ACR (2:40.02). Billy Johnson explicou que a intenção era apenas “validar um problema verificado com outro carro… simplesmente aconteceu conseguirmos um tempo rápido quando estávamos a investigar outra coisa”. Quase se pode dizer que, neste caso, a falha encontrada no outro carro foi um mal que veio por bem…

Foi ainda explicado à Road&Track que o carro utilizado nem sequer foi a “nata” do Ford GT para condução em circuito, pois não era a versão mais leve com o pack Competition ou o opcional escape em titânio. Isso, juntamente com o facto de o objetivo ser apurar o erro existente com o outro GT, ajuda a explicar que apenas três membros do staff da Ford tenham testemunhado o novo registo, sem que estivesse a postos uma equipa dedicada à tentativa de obtenção do tempo mais rápido.

A explicação sobre o excelente comportamento demonstrado pelo Ford GT no circuito de Virginia ficou a cargo do responsável da divisão de performance da marca, Jamal Hameedi, que afirmou que este traçado é perfeito para explorar o potencial do desportivo. Ele referiu que “os circuitos que se conjugam com os pontos fortes do nosso carro são pistas rápidas com curvas a alta velocidade. Elas fazem realmente sobressair o evoluído chassis e a aerodinâmica”. E, pelos vistos, até permitem algumas inesperadas surpresas!

Fonte: Road&Track e Ford