Mercedes-Benz com números recorde em Portugal em 2017

Pedro Junceiro
Pedro Junceiro
Editor Conteúdos

Voltando a ser a marca Premium com mais automóveis vendidos no nosso país, a Mercedes-Benz teve também aquele que foi o seu melhor ano de sempre em termos de mercado nacional, batendo assim o anterior recorde de viaturas matriculadas, que havia sido alcançado no ano passado.

Nunca se venderam tantos automóveis da Mercedes-Benz em Portugal como no ano de 2017. Com efeito, a marca de Estugarda teve uma prestação comercial assinalável em Portugal ao longo do ano transato, matriculando um total de 16.273 veículos novos de passageiros a que se somam ainda 1728 veículos da divisão Mercedes-Benz Vans (comerciais) e os 724 veículos da Mercedes-Benz Trucks dedicada aos pesados. No que diz respeito aos ligeiros de passageiros, o aumento de um ano para o outro foi de 6,3%, com a marca a dispor ainda de uma quota de mercado de 7,33%.

Daquele número global de 16.273 veículos da Mercedes-Benz, contam-se ainda 151 modelos da marca AMG, o que se traduz noutro recorde em solo nacional, em especial tendo em conta que se venderam dois GT R e 16 GT C, além de um exorbitante Project One por cerca de três milhões de euros, o único para Portugal. Mais ainda, no que diz respeito a recordes: matricularem-se mais mais 89,5% de PHEV (tópico detalhado mais abaixo).

Dos modelos da sua gama, a marca destaca o Classe A, apesar de ter perdido fulgor neste seu último ano antes da renovação, o Classe E (com vendas equiparáveis entre a berlina e a carrinha), o GLA (do total de 1179 unidades vendidas, 930 foram já com o facelift) e do Classe S (com 168 modelos matriculados, sendo que da atualização após setembro contam-se 96 unidades).

Sem tentações pelo pódio

Os bons resultados da companhia germânica, revelados hoje em conferência de imprensa, sublinham o feito de este ter sido o melhor ano de sempre para a marca em Portugal, com Niels Kowollik, CEO da Mercedes-Benz Portugal a reconhecer que este é mais um sinal “de que o país está em recuperação de uma crise que nos afetou a todos”.

Ocupando a quarta posição na tabela de vendas geral de 2017 (de acordo com os dados da ACAP), com cerca de 200 carros a separarem a Mercedes-Benz da terceira classificada, a Volkswagen, Jorge Aguiar, diretor de marketing da marca para Portugal, explica que não houve uma ‘tentação’ de final de ano para tentar superar a conterrânea para assim chegar ao pódio. Garante, aliás, que não existe nenhuma obsessão ou objetivo em termos de posicionamento de mercado, embora a liderança entre as Premium seja importante.

“Queremos fortalecer a marca e temos tido um crescimento sustentado, mas não temos nenhum objetivo de posição de mercado. Estes resultados são fruto daquilo que o mercado nos tem pedido. Não tínhamos esse objetivo, de todo”, explica aquele responsável, sendo secundado nas suas afirmações por Nuno Mendonça, diretor geral da MBP, com este a referir que “o que limita o nosso crescimento, por vezes, é o facto de não termos disponível produto para entrega no momento”.

A melhoria das vendas não foi um exclusivo nacional: a Mercedes-Benz registou um crescimento global de 8,8% nas suas vendas, demonstrando dessa forma que está em força na luta pela supremacia no segmento das Premium.

Também destacado foram os resultados nos serviços do após-venda, nos quais a marca conseguiu um total de 127.830 unidades assistidas na rede oficial, ou seja, mais 9% do que no ano anterior, repercutindo-se de forma clara na faturação, que foi 6,6% superior em relação a 2016. Esse facto, salientam os responsáveis da companhia em Portugal, foi conseguido sem aumentar os preços, mas sim apenas com o facto de haver agora mais carros a serem assistidos em oficinas da rede oficial Mercedes-Benz em Portugal. Com efeito, 39% do parque circulante foi assistido na marca.

O financiamento continua a ser, também uma aposta da marca e em Portugal, um em cada dois carros da Mercedes-Benz são já vendidos com recurso aos serviços de financiamento fornecidos pela própria. Como tal, destaca-se a preponderância do serviço Select & Drive, ao qual são fornecidas propostas de financiamento, como são os casos do Aluguer Operacional, Opção Vantagem e Renting, cada um direcionado para clientes-específicos. De acordo com a marca, 20% das vendas são já efetuadas com recurso ao método Select & Drive.

2018: Classe A Team

O ano de 2018, embora com muitos lançamentos de monta para a Mercedes-Benz, terá no Classe A um dos destaques. O modelo compacto chegará ao mercado num formato totalmente renovado em meados de fevereiro, tendo por missão dar seguimento aos mais de 16.000 exemplares de anterior geração vendidos no nosso país desde o seu lançamento. O mesmo é referido por Niels Kowollik, para quem “este será o lançamento mais importante do ano para a Mercedes-Benz”.

Kowollik destaca a sua preponderância no facto de ser um modelo “importante em termos de vendas e também para captar o interesse e a atenção dos clientes mais jovens”, embora não esqueça outros desafios da Mercedes-Benz para 2018, como o início da comunicação da marca EQ dedicada à tecnologia elétrica e em jeito de preparação para os modelos que vão começar a surgir em 2019.

PHEV em crescimento

Esse foco na comunicação da submarca EQ ganha maior expressão no sentido em que, em 2017, a Mercedes-Benz viu o número de veículos de tecnologia Plug-in híbrida crescer em 89,5%, com os responsáveis da marca a enaltecerem que este resultado apenas não foi melhor porque houve falta de produto para responder às solicitações do mercado.

Percorra a galeria de imagens acima clicando sobre as setas.