Elon Musk ameaçou deixar a gestão da Tesla, e os outros membros do Conselho de Administração convenceram-no a ficar. Para isso, ofereceram-lhe um generoso pacote de prémios financeiros, no valor mínimo de mil milhões de dólares, mas também exigiram que o valor da Tesla no mercado praticamente duplique em relação ao seu valor atual, no espaço de 10 anos.

Musk é proprietário de 20 por cento das ações da Tesla, e a companhia atualmente vale 59 mil milhões de dólares (47,8 mil milhões de euros). Se, nos próximos 10 anos, o valor total atingir os 100 mil milhões (ou 81 mil milhões, em euros), ou 20 mil milhões em lucros, ou 1500 milhões em proveitos, o empresário será premiado com mais um por cento do total das ações. Mas, se falhar, não ganha nada por 10 anos de de trabalho.

A Tesla já tem um valor bastante elevado, ultrapassando até o valor total da General Motors, isto apesar de não ter proveitos e do seu pequeno volume de vendas ficar bem abaixo do da Porsche, que tem produtos mais parecidos e vale apenas um terço da Tesla. A passagem para a produção em massa, com o Tesla 3, tem dado problemas, e as marcas tradicionais já estão a aderir aos carros elétricos, sendo que a Tesla contava muito com o fator novidade.

Apesar destes números não parecerem muito realistas, a administração da marca americana até ofereceu prémios incrementais, incluindo um valoração de 10 anos até 650 mil milhões de dólares, o que lhe daria um valor quatro vezes superior ao da Toyota, a marca que mais automóveis vende em todo o mundo.