Os automóveis autónomos poderão não ter muita popularidade depois do acidente mortal de um carro da Uber, mas enquanto esta marca anunciou que iria interromper a maioria dos seus testes e até encerrar este programa nalgumas cidades, a Waymo está pronta para aproveitar as dificuldades da sua rival e anunciou agora que vai expandir a sua frota de carros autónomos a médio prazo, para um total de 62 mil automóveis.

A Waymo, uma divisão da Alphabet, que também é a proprietária da Google, é a única que tem tido sucesso a criar uma rede de carros equipados com condução autónoma, e que não necessitam de ninguém ao volante, mas têm sido mais discretos. A Waymo não conseguiu evitar acidentes, mas os outros envolvidos têm sido os responsabilizados. Com esta encomenda de milhares de exemplares do monovolume Chrysler Pacifica Hybrid, a marca americana está pronta para iniciar o seu serviço de aluguer de carros autónomos, que vai ser feito através de um aplicativo de smartphone, e que vai começar a operar no final do ano.

Como fornecedora do automóvel usado pela Waymo, a FCA também vai beneficiar das novas tecnologias desenvolvidas para automóveis autónomos. O grupo automóvel ítalo-americano não está apenas a vender carros para este serviço, mas também é parceiro técnico. Com esta parceria mais profunda do que a que a Uber tinha com o seu fornecedor, carros das marcas Fiat, Chrysler, Alfa Romeo ou Jeep também vão poder aproveitar a experiência no desenvolvimento do sistema de inteligência artificial, já que o trabalho de pesquisa e integração foi feito por engenheiros de ambos os grupos.