5 coisas que precisa de saber sobre o novo Renault Captur

Rui Pelejão
Rui Pelejão
Editor-Executivo

Uma das coqueluches da Renault, o Captur, renova a sua proposta para estar melhor preparado para enfrentar a concorrência que se anuncia no território dos crossover de entrada de gama

Copenhaga foi o palco da apresentação internacional à imprensa do novo Renault Captur que já chegou ao mercado nacional.

A cidade da Pequena Sereia e de Hans Christian Anderson viu assim nascer a nova penugem do cisne da Renault, que é o crossover urbano mais vendido na Europa. Há boas notícias para os atuais e futuros donos de um Captur. Para os primeiros a boa notícia é que o carro sofreu apenas ligeiros retoques estéticos, o que significa que o seu “velhinho” Captur não ficará subitamente desatualizado.

Para os futuros proprietários, a Renault preparou uma proposta de valor mais competitiva, especialmente no que respeita à tecnologia a bordo e aos sistemas de conectividade, que são cada vez mais prioritários para uma nova geração de clientes.

Eis então, as 5 coisas que precisa de saber sobre o novo Renault Captur:

1 – Nova grelha e cores mais cool

É preciso uma lupa para descortinar as diferenças de design do novo Captur em relação ao modelo original. A Renault optou pela velha fórmula — em equipa que ganha não se mexe — e os gráficos de vendas do Captur foram mais importantes do que os impulsos criativos dos designers da marca francesa.

Por fora, apenas podemos descortinar a nova grelha com friso cromado para ficar mais parecido com a nova família SUV da marca que passa a integrar o Kadjar e o Koleos. Novas proteções nos pára-choques e luzes com assinatura LED e novo formato completam a resolução do jogo “descubra as diferenças”.

As opções de personalização exterior do Captur também se dilataram com a introdução de três novas cores —laranja atacama, azul ocean, preto ametista —, a que se junta uma nova cor do tejadilho — cinzento platina.

No total são possíveis 30 combinações bitonais, o que dá uma gama de escolha cromática bem interessante.

2 – Interior mais requintado

“Querida mudei o Captur, mas pouco”, podia ser a assinatura do novo design interior que se destaca pelas sensíveis melhorias de qualidade dos plásticos e dos materiais utilizados, com recurso a cromados e a novos revestimentos das portas.

O principal destaque vai mesmo para o novo design dos bancos, bem mais confortáveis do que os da anterior geração que eram um pouco probrezinhos. Maior apoio lateral e ergonomia, que se notam bem numa sequência de curvas. As capinhas amovíveis e o porta-luvas generoso continuam lá, e ainda bem.

3 – Boa música e conectividade

Liberte o DJ que há em si e leve boa música para uma road trip com o Captur. Para isso a marca francesa associou-se à Bose para desenvolver um sistema de som mais evoluído que compreende seis colunas Bose, altifalante de alta definição e um subwoofer no porta-bagagens. Para poder conectar a sua discoteca com o carro a Renault propõe três sistemas multimédia, disponíveis consoante a versão.

Desde o mais simples R&Go que lhe permite ligar o smartphone ao carro, passando pelo Media Nav Evolution, que acrescenta mais funcionalidades multimédia, como a câmara de estacionamento, navegação com informações de trânsito ou bluetooth para telefone. Finalmente o sistema multimédia mais completo, o R-Link Evolution passa agora a ser compatível com Android Auto e as funções como telefone, audio, navegação e mensagens podem ser controladas através do ecrã táctil de 7 polegadas.

4 – Mais tecnologia e um nível de equipamento Initiale

Para manter a competitividade do seu pacote tecnológico em relação à ofensiva da concorrência que aí vem (especialmente a coreana) a Renault dotou o seu pequeno crossover com uma série de novas tecnologias e um nível exclusivo de equipamento e acabamentos. O sistema de deteção de objetos no ângulo morto e o sistema de estacionamento mãos livres (easy park assist) passam agora a estar disponíveis na gama, consoante a versão.

A versão mais dotada do Captur passa a ser o Initale Paris, que propõe uma gama de cores específicas e as jantes específicas INITIALE de 17 polegadas. O Captur IP beneficia igualmente de piscas com LED. A assinatura INITIALE PARIS está presente nas proteções inferiores das portas, nas soleiras das portas e na grelha dianteira. No interior, o Novo Captur IP dispõe de ambientes exclusivos, com bancos aquecidos e volante em couro, elementos cromados, painel de bordo em couro e pedais e soleiras das portas de alumínio.

5 – Motores pequenos e eficientes

Vão estar várias versões disponíveis no catálogo de vendas em Portugal. A oferta Diesel começa na versão dCi 90 e estende-se ao dCi 110 Cv com 260 Nm de binário às 1750 rpm.

No que respeita aos motores a gasolina, destaque para o equilibrado e frugal Energy TCe 90 e para o mais animado TCe 120, com turbo de injeção direta a debitar 120 Cv. Dependendo da versão e dos motores, vão estar disponíveis caixas manuais de seis velocidades ou automáticas. Os preços iniciam-se nos 18 mil euros para a versão Energy TCe 90 e estendem-se até aos 28 mil euros da exclusiva versão Initiale Paris com motor Diesel de 110 Cv.

Percorra a galeria de imagens acima clicando sobre as setas.