Ettiene Lavigne: “O espírito de superação de Croizon é o que defendemos no Dakar”

Ettiene Lavigne, responsável máximo pelo Dakar, falou sobre um dos pilotos mais surpreendentes a competir neste Dakar, Philippe Croizon.

Se o Dakar, já por si, põe qualquer ser humano à prova, o que dizer de Croizon, que não tem pés nem mãos! Mesmo amputado de todos os seus membros, devido a uma forte descarga elétrica em casa, que lhe causou sérias lesões nos braços e pernas, tinha apenas 26 anos, o francês, agora com 47 anos é um enorme lutador e por isso quis ter mais este desafio na sua vida.

Em 2010 cruzou o canal da Mancha a nado, em 2015 começou a preparar-se para o Dakar, participando por isso em várias corridas no ano que há pouco terminou. Com um BMX X6 especialmente adaptado, com joystick ao melhor estilo dos vídeo jogos, é a partir daí que comanda o carro: “O Philippe é uma pessoa fantástica, o seu espírito de superação é o mesmo que defendemos no Dakar” começou por dizer Ettiene Lavigne, Diretor do Dakar: “Ele superou todos os exames de extração do carro, é uma pessoa que gosta de desafios, e da aventura, e não tínhamos como o impedir de cumprir o seu desejo” disse Lavigne, cuja organização que lidera, tem, naturalmente, um olho muito atento no que está a fazer o piloto.

Amputado de braços e pernas é uma novidade, mas há muito o Dakar recebe piloto paralisados da cintura para baixo, como por exemplo Isidre Esteve e Albert Llovera, que correm este ano nos autos e nos camiões, respetivamente. Há uns anos correu também uma equipa composta por soldados ingleses amputados. Vamos ver como corre, e não há como não torcer por fora…

José Luis Abreu/Autosport