Entre os consumos anunciados e reais… pode haver 549€/ano a mais

É um facto que os testes aos automóveis para as emissões de CO2 e consumos são feitos em condições que apenas um cenário hollywoodesco poderia recriar. No dia-a-dia, há condições ambiente que elevam naturalmente os consumos. Porém, a disparidade entre aquilo que as marcas anunciam e a realidade pode ser ligeiramente exagerada.

Segundo um estudo da Transport & Environment, que comparou os consumos homologados com ensaios realizados pelo Conselho Internacional para o Transporte Limpo, num ano os gastos com os consumos de um automóvel podem significar custos acrescidos de mais 549€ do que aquilo que seria suposto, que se traduz por uma diferença média de 42%.

Neste particular há marcas mais verosímeis que outras. Nos dados recolhidos, a Mercedes-Benz é aquela que aparece em pior plano, com as diferenças entre os consumos anunciados e reais a serem de 54%. No pólo oposto, a Fiat é o exemplo com uma diferença menos evidente, 35%.

O mesmo estudo anuncia que os carros emitem perto de mais 50% que o CO2 que alegam. Greg Archer, diretor para os veículos limpos na Transport & Environment, afirma mesmo que os novos testes não são suficientes: “Precisam de ser conduzidos por agências independentes em laboratórios independentes e aprovados por reguladores que não fechem os olhos quando os fabricantes subjugam as regras.”