Porque é que os táxis de Londres são pretos?

Algumas cores ficaram irremediavelmente ligadas a certos tipos de automóveis, e isso inclui os táxis. Embora os nossos tenham cores próprias (com o bege a substituir o tradicional preto-e-verde), os modelos que chamam mais a atenção do imaginário a nível mundial são o amarelo de Nova Iorque e o preto de Londres. Foi na capital britânica que surgiram os primeiros veículos para alugar, ainda no Séc. XVII, quando só existiam carruagens sem cavalos.

Foi em 1897 que surgiram os primeiros táxis automóveis, veículos eléctricos popularmente conhecidos como Berseys, que tinham uma grande tendência para avariar e quatro anos depois deram lugar a uma variedade de automóveis. Para assegurar um serviço igual por todos os motoristas, em 1906 foram instituídas regras para uniformizar o nível mínimo de qualidade. Mas foi apenas em 1929 que surgiu o primeiro automóvel que se tornaria o preferido dos motoristas, o Austin 12/4. Passou a ser o modelo mais visto na cidade de Londres, tal era a sua popularidade como veículo de aluguer, e é o antepassado do táxi tradicional.

Este surgiu em 1948, e era construído por uma firma especializada, a Carbodies. Nunca foi obrigatório usar uma cor obrigatória, mas, para facilitar o processo de produção, o seu primeiro modelo, o FX3, vinha de fábrica já com o preto escolhido. E embora fosse possível trocar de cor, por um custo adicional, na prática era um extra desnecessário, principalmente para os donos de frotas. O preto vulgarizou-se e passou a ser a forma mais fácil de identificar um táxi. O termo “black cab” passou a ser usado pela população como sinónimo para um veículo de aluguer com motorista.

O preto permaneceu a cor oficiosa quando o FX3 deu lugar ao seu substituto, o FX4. Este passou a ser o táxi mais famoso da era moderna, construído de 1958 a 1998, com várias actualizações, para cumprir critérios anti-poluição e de segurança. Mesmo assim, era tão bom que manteve grande parte da base mecânica para a criação do moderno TX4. Nesta fase, a Carbodies também mudou de nome, passando a chamar-se London Taxis International. O FX4 e TX4 resistiram até à entrada no mercado de um rival, o Metrocab, lançado em 1987, mas cuja produção terminou antes do modelo mais icónico.

A sua proprietária actual é a Geely, que também é dona da Volvo. A rebaptizada London Taxi Company retirou o TX4 de produção recentemente e prepara-se agora para introduzir um novo “black cab” no mercado. Vai chamar-se TX5, vai ter lugar para seis passageiros, e vai ser completamente eléctrico, embora agora deva ser mais fiável que os seus antepassados do Século XIX. Mas o Metrocab também vai regressar, agora com baterias. Táxis pretos não vão faltar em Londres no futuro.

Percorra a galeria de imagens acima clicando sobre as setas.