Mercedes acusada de excesso de emissões

A Reuters, com base na acusação de um meio de comunicação social germânico, refere que entre 2008 e 2016 foram comercializados cerca de um milhão de automóveis da Mercedes com valores de emissões fraudulentos. Os germânicos falam de especulação, mas afirmam que estão disponíveis para colaborar com as autoridades.

A jornal alemão Sueddeutsche Zeitung afirmou que a Daimler está a ser acusada de ter comercializado aproximadamente um milhão de automóveis da Mercedes com valores de emissões fraudulentos, segunda noticiam a Reuters e a Automotive News Europe. A investigação está a ser conduzida por autoridades de Estugarda e centra-se nos motores de quatro cilindros OM651 e V6 3.0L OM642, equipado em veículos comercializados pela marca entre 2008 e 2016 na Europa e Estados Unidos. De momento a principal questão passa por deslindar se terá sido utilizado pela marca um subterfúgio similar ao da VW, que recorreu a um software para enganar os testes de emissões em laboratório.

Contatado pela Reuters, um responsável de comunicação do Grupo Daimler afirmou que se trata apenas de especulação, reiterando ainda a total disponibilidade da empresa para colaborar com as investigações em curso e indicando que não considera existir qualquer perigo de proibição à venda das suas viaturas. A Mercedes tem estado envolvida nesta polémica das emissões fraudulentas desde que em maio foi visitada pelas autoridades devido à possível utilização destas práticas ilegais, tendo já na altura referido total abertura para ajudar as autoridades. É de referir ainda que, estranhamente, quando reagiu a estas primeiras noticias, o comunicado de imprensa da marca não refutava esta possibilidade. A adensar ainda mais estas dúvidas está o facto de a Mercedes ter retirado o pedido de aprovação para a venda dos seus veículos diesel nos Estados Unidos para o ano de 2017.

Nuno Fatela

Fonte: Reuters, Carscoops e Automotive News Europe