Karting Rotax: ‘Operação Brasil’ começou em Palmela

A época do Rotax Max Challenge Portugal arrancou em Palmela
Filipe Cairrão
Filipe Cairrão
Jornalista

Rui Pereira na categoria DD2 Master, Pedro Pinto (DD2), Gonçalo Coutinho (Sénior Max), Guilherme de Oliveira (Júnior), José Barros (Mini Max), Christian Costoya (Micro Max) e Luka Fedorenko (Academy) venceram a prova de abertura do Rotax Max Challenge Portugal, disputada no Kartódromo Internacional de Palmela. A Final Mundial do construtor austríaco, que reúne habitualmente 360 pilotos oriundos de 60 países, realiza-se de 26 de novembro a 1 de dezembro, no Brasil.

Como é habitual no Rotax Max Challenge Portugal, as categorias DD2 e DD2 Master (para pilotos com idade igual ou superior a 32 anos) partilharam a mesma grelha.

Pedro Pinto (Tonykart) foi o mais rápido nos treinos cronometrados (49,860s) entre os DD2 e Rui Pereira (Birel ART) conseguiu a melhor volta (50,228s) entre os Master. Na Final 1, Pedro Pinto confirmou o favoritismo ao dominar as 16 voltas da corrida. Já a luta pelo segundo lugar foi bastante intensa e envolveu Rui Pereira, António Teixeira (Birel ART), José João Oliveira (Birel ART) e João Oliveira (Tonykart). Na sexta das 16 voltas, João Oliveira, que rodava na quarta posição muito próximo de José João Oliveira, caiu em definitivo para o sexto lugar, sendo ainda penalizado em três segundos por saída parcial dos corredores no momento da partida.

Rui Pereira garantiu a segunda posição e a vitória entre os Masters, resistindo às investidas de José João Oliveira, segundo classificado na DD2. Vítor Mendes (Praga), campeão em título da DD2 Master, terminou no quarto lugar absoluto e segundo entre os Masters, enquanto António Teixeira (penalizado em três segundos por saída parcial dos corredores) ficou a escassos 0,007s de Vítor Mendes, sendo o terceiro DD2.

A seguir terminaram os Masters, com Pedro Loures (Maranello) na quarta posição da categoria, na frente de Fernando Costa (Praga), António Bravo Lima (Praga) – penalizado em três segundos por saída parcial dos corredores – e o estreante Ivo Prada (Praga).

Pedro Pinto (Tonykart) na frente do pelotão

Na Final 2, Pedro Pinto capitalizou a pole-position para assegurar mais uma vitória e assinar a volta mais rápida em 50,545s. Na luta pelo segundo lugar, José João Oliveira levou a melhor sobre António Teixeira. Nos lugares seguintes classificaram-se os pilotos da Master, com João Oliveira a sair vitorioso na frente de Rui Pereira (penalizado em três segundos por saída parcial dos corredores de partida), Vítor Mendes, Pedro Loures, António Bravo Lima, Fernando Costa e Ivo Prada.

O pódio da DD2 Master com João Oliveira, Rui Pereira e Vítor Mendes

No somatório dos resultados das duas Finais, Pedro Pinto venceu a categoria DD2 enquanto José João Oliveira e António Teixeira completaram o pódio. Já na DD2 Master triunfou Rui Pereira, acompanhado no pódio por João Oliveira e Vítor Mendes. Pedro Loures foi o quarto Master, na frente de António Bravo Lima, Fernando Costa e Ivo Prada.

Gonçalo Coutinho imparável na categoria Sénior Max

Gonçalo Coutinho, com chassis FA, foi o mais rápido nos treinos cronometrados (50,169s) na prova de abertura do Rotax Max Challenge Portugal da categoria Sénior. No Kartódromo Internacional de Palmela, o piloto de Gondomar tirou o melhor proveito da pole-position para dominar a Final 1 de princípio a fim (com a melhor volta em 50,420s), terminando com uma confortável vantagem para o segundo classificado, o espanhol de origem romena Filip Vava (Tonykart).

Manuel Alves (Tonykart) terminou na terceira posição, na frente do ‘rookie’ António Correia (CRG) e de Diogo Marques (Birel ART). O estreante Afonso Trindade (CRG) cruzou a meta na sexta posição e João Galveias (Tonykart), foi forçado a abandonar à passagem da terceira volta.

Gonçalo Coutinho (FA)

Na Final 2, Gonçalo Coutinho voltou a largar da pole-position e assumiu o comando para não mais o largar até final, rubricando novamente a volta mais rápida (50,712s). Manuel Alves, que largou da terceira posição, passou para o segundo lugar mantendo-o até final, resistindo às várias investidas de Filip Vava, terceiro classificado.

Diogo Marques rodou sempre na quarta posição, João Galveias fechou o top 5, enquanto António Correia e Afonso Trindade (penalizado em três segundos por saída parcial dos corredores no momento da partida) foram os sexto e sétimo posicionados, respetivamente.

No somatório dos resultados das duas Finais, Gonçalo Coutinho foi naturalmente o vencedor da prova de Palmela, na frente de Filip Vava e Manuel Alves, que terminaram com o mesmo número de pontos mas com vantagem para o espanhol, devido ao tempo obtido nos treinos cronometrados. Diogo Marques foi o quarto classificado, enquanto António Correia, Afonso Trindade e João Galveias terminaram nas posições seguintes.

Guilherme de Oliveira dominador na categoria Júnior

Guilherme de Oliveira (Tonykart) foi o mais rápido nos treinos cronometrados (50,733s) na prova de abertura do Rotax Max Challenge Portugal da categoria Júnior, disputada no Kartódromo Internacional de Palmela. O campeão em título dominou todos os acontecimentos da Final 1 e rubricou a melhor volta em 51,346s.

O ‘rookie’ Tomás Ribeiro (Tonykart) garantiu a segunda posição e Gabriel Caçoilo (FA) – que ainda deu luta ao piloto de Fafe – cruzou a meta no terceiro lugar mas viria a cair para o quarto posto devido a uma penalização de três segundos por saída parcial dos corredores no momento da partida.

O estreante Pedro Perino (Tonykart) mostrou um andamento forte e foi um meritório terceiro classificado, enquanto Mariana Machado (Praga) que no início da corrida caiu para o nono lugar ainda recuperou para fechar o top-5, apesar de ter sofrido uma penalização igual à de Gabriel Caçoilo.

Miguel Silva (Kart Republic) viu a bandeira xadrez na sexta posição, na frente de Afonso Ferreira (Tonykart), Rúben Silva (Tonykart), Rodrigo Lessa (Tonyart) – penalizado em três segundos – e Alexandre Almeida (Tonykart), enquanto o espanhol Felix Aparício (Exprit) foi obrigado a abandonar à passagem da 10ª das 16 voltas ao traçado de 1.270 metros.

Guilherme de Oliveira (Tonykart)

Na Final 2, Guilherme de Oliveira voltou a largar da pole-position e mais uma vez assumiu a liderança durante as 16 voltas, assinando também a volta mais rápida em 51,429s. Tomás Ribeiro, que partiu novamente do terceiro lugar, arrancou bem e ascendeu à segunda posição, não mais a largando até final. Gabriel Caçoilo terminou na terceira posição e Rúben Silva, que arrancou do nono lugar, recuperou até à quarta posição, tendo o estreante Rodrigo Lessa encerrado o top 5. Afonso Ferreira cruzou a meta na sétima posição, na frente de Mariana Machado, Miguel Silva e Alexandre Almeida. Pedro Perino – que foi terceiro classificado na Final 1 – viu-se envolvido num aparatoso acidente e não alinhou. O espanhol Felix Aparício optou por não disputar a Final 2.

Com mais um fim de semana irrepreensível, Guilherme de Oliveira começou o troféu da melhor forma e no somatório das duas Finais terminou na frente de Tomás Ribeiro e Gabriel Caçoilo, que também subiram ao pódio. Rúben Silva e Mariana Machado completaram o top-5 em Palmela, enquanto Afonso Ferreira foi sexto classificado na frente de Rodrigo Lessa, Miguel Silva, Alexandre Almeida, Pedro Perino e Felix Aparício.

José Barros vence prova intensa na Mini-Max

Adrián Malheiro (Praga) estreou-se na categoria Mini-Max da edição de 2018 do Rotax Max Challenge Portugal com a volta mais rápida (53,278s) dos treinos cronometrados da primeira prova, disputada no Kartódromo Internacional de Palmela.

Na Final 1, o piloto luso-espanhol foi surpreendido no arranque por José Barros (FA) que comandou a corrida até à quinta volta. A partir de então, Adrián Malheiro passou para a liderança e não mais a largou até final, garantindo a melhor volta da corrida em 54,185s. Contudo, esta prestação de nada valeria, pois o campeão da Micro-Max em 2017 viria a ser desclassificado (devido a irregularidade técnica), enquanto José Barros teve problemas a três voltas do final, sendo também penalizado em 10 segundos mas garantindo ainda o terceiro lugar.

O rookie João Oliveira (CRG) rodou sempre muito perto de Malheiro e Barros, e mesmo com uma penalização de três segundos por saída parcial dos corredores no momento da partida, acabou por conquistar a vitória e rubricar ainda a volta mais rápida (54,55s). Duarte Pinto Coelho (Sodikart) garantiu o segundo lugar, enquanto o primo João Pinto Coelho (Sodikart) e Pedro Pinto Soares (Birel ART) encerraram o top-5.

José Barros (FA) no comando da corrida da Mini

Na Final 2, Adrián Malheiro arrancou da pole-position mas à passagem da terceira volta José Barros assumiu a liderança e apesar da pressão do luso-espanhol e de João Oliveira – que acabaram nas segunda e terceira posições, respetivamente – o piloto do Porto saiu vitorioso.

Duarte Pinto Coelho cruzou a meta no quarto lugar, na frente de João Pinto Coelho e Pedro Pinto Soares.

No somatório das duas Finais de Palmela, José Barros e João Oliveira terminaram com o mesmo número de pontos, mas o fator de desempate (melhor tempo nos treinos cronometrados) favoreceu o jovem piloto portuense. Duarte Pinto Coelho ocupou o derradeiro lugar do pódio, na frente de João Pinto Coelho, Pedro Pinto Soares e Adrián Malheiro.

Christian Costoya triunfa na categoria Micro-Max

José Pinheiro (Praga) foi o mais rápido nos treinos cronometrados da Micro com a marca de 56,912s na prova de abertura do Rotax Max Challenge Portugal, disputada no Kartódromo Internacional de Palmela. Na Final 1, o piloto de Guimarães arrancou bem, assumiu a liderança mas à oitava das 12 voltas da corrida começou a ser pressionado por Christian Costoya (Tonykart). O piloto espanhol viria mesmo a ultrapassar José Pinheiro, tendo este que contentar-se com a segunda posição por escassos 0,121s.

Oleksander Bondarev (EKR) e Henrique de Oliveira (Tonykart) travaram uma intensa luta pela terceira posição, que sorriu ao piloto ucraniano, enquanto o jovem piloto de Vila Nova de Gaia viria a ser relegado para o sétimo lugar em virtude de uma penalização de cinco segundos por ter o spoiler tocado.

Diogo Castro (FK) acabou por ser um tranquilo quarto classificado mas contou com forte oposição do espanhol Guillermo Pernia (Tonykart) e de Maria Germano Neto (Praga), que foram os quinto e sexto classificados, respetivamente.

Igualmente na luta pelo quarto lugar esteve Rodrigo Vilaça (Tonykart), assim como Frederico Pinto Coelho (Maranello), que também viria a ser penalizado em cinco segundos devido ao spoiler danificado.

Pedro Carvalho (Tonykart), também penalizado em três segundos devido a saída parcial dos corredores no momento da partida, fechou o top 10, enquanto Martim Marques (Sodikart) teve pior sorte (penalização de 10 segundos por saída total dos corredores de partida), vindo a terminar no 11º lugar.

Christian Costoya (Tonykart) venceu as duas Finais da Micro-Max

Na Final 2, José Pinheiro largou da pole-position mas na segunda volta caiu para o sétimo lugar. Christian Costoya ficou praticamente isolado no comando da corrida, conseguindo assim a segunda vitória do dia e a volta mais rápida (57,475s). Henrique de Oliveira continuou a surpreender em Palmela ao estar na luta pela segunda posição, terminando no terceiro lugar, atrás do ucraniano Oleksander Bondarev e na frente de José Pinheiro.

Diogo Castro terminou logo a seguir e fechou o top-5, na frente de Maria Germano Neto, Rodrigo Vilaça, Guillermo Pernia, Frederico Pinto Coelho, Pedro Carvalho e Martim Marques, sendo que os três últimos foram penalizado com três segundos por saída parcial dos corredores no momento da partida.

Com estes resultados, Christian Costoya venceu a ronda de abertura, terminando na frente de Oleksander Bondarev e José Pinheiro. Diogo Figueiredo e Henrique de Oliveira também lograram terminar no top 5, com Maria Germano Neto, Guillermo Pernia, Rodrigo Vilaça, Frederico Pinto Coelho, Pedro Carvalho, Martim Marques e Paulo Zacarias a ocuparem as posições seguintes, respetivamente.

Vitória ucraniana na Academy

No arranque da edição de 2018 do Rotax Max Challenge Portugal assistiu-se a um novo fulgor na categoria Micro Academy, com a estreia oficial de novos praticantes na modalidade, no Kartódromo Internacional de Palmela.

Pedro Moura (Praga), campeão nacional de Iniciação em 2017, foi o mais rápido nos treinos cronometrados (57,951s) e depois liderou até à décima das 12 voltas ao traçado da margem sul, altura em que viria a ser superado pelo ucraniano Luka Fedorenko (EKR), autor da melhor volta (58,745s).

Ricardo Gonçalves (Praga) e Gonçalo Pereira (Praga) protagonizaram uma discussão muito interessante pelo terceiro lugar, tendo o primeiro acabado por levar a melhor. Afonso Pinto Soares (EKR) fechou o top 5, Pedro Santos (Tonykart) terminou na sexta posição, e Tiago Teixeira (FA) foi forçado a abandonar à passagem da segunda volta.

Na Final 2, Pedro Moura largou da pole-position mas Luka Fedorenko assumiu o comando após o arranque e voltou a vencer apesar da pressão do seu adversário, que foi o autor da volta mais rápida (58,335s). Na luta pelo terceiro lugar, Gonçalo Pereira superou Ricardo Gonçalves na penúltima volta.

Afonso Pinto Soares voltou a fechar os cinco primeiros, enquanto Tiago Teixeira foi forçado a abandonar à passagem da quarta volta e Pedro Santos não alinhou.

Os jovens pilotos da Academy

No somatório das duas Finais, Luka Fedorenko garantiu a pontuação máxima em Palmela e Pedro Moura também começou o troféu em bom plano, no segundo lugar. O derradeiro lugar do pódio foi assegurado por Ricardo Gonçalves, que terminou com o mesmo número de pontos de Gonçalo Pereira, mas que retirou vantagem do tempo obtido nos treinos cronometrados. Afonso Pinto Soares completou o top-5, enquanto Pedro Santos e Tiago Teixeira terminaram nas posições seguintes.

Fotos: HelloFoto / Alexandre Júnior

CLASSIFICAÇÕES ROTAX MAX CHALLENGE PORTUGAL – PALMELA