Adamastor: Desportivo luso quer ser ‘prova de exclusividade’ ao volante

Pedro Junceiro
Pedro Junceiro
Editor Conteúdos

Pensado, desenvolvido e produzido em Portugal, o Adamastor P003RL está cada vez mais perto de chegar às estradas na sua versão definitiva.

O primeiro modelo da marca, cuja produção será realizada em pequena série, é um desportivo de dois lugares concebido para a pista, mas apto e homologado para a circulação em estrada. Esse foco esteve no cerne da conceção deste Adamastor P003RL, que não possui quaisquer ajudas à condução.

Ou seja, a marca do Norte pretende que este seja um carro desportivo com reações muito puras, adotando até um design do interior mais simples para evitar distrações na condução. A nível de suspensão, travagem e chassis, o modelo incorpora soluções oriundas da competição automóvel, com a companhia a salientar “elevada rigidez torsional”. O Adamastor P003RL possui carroçaria em material compósito e chassis tubular, visando obter dessa forma um baixo peso sem impacto negativo no comportamento e na passagem em curva. Outros detalhes destacados pela marca são o fundo integralmente coberto (melhorando a passagem do ar) ou a repartição de travagem ajustável a partir do interior, uma solução tradicionalmente utilizada na competição, mas aqui aplicada a um modelo de produção para estrada.

No habitáculo, a marca lusa, que evoca o icónico ‘Monstrengo’ da época dos Descobrimentos, procurou conceber uma combinação entre conforto e funcionalidade, com acabamentos em fibra de carbono, pele e Alcantara. Não obstante, o cliente poderá personalizá-los à sua imagem.

No que se refere às motorizações, o cliente tem várias opções de posicionamento transversal com combustão interna. Todavia, a Adamastor está preparada para qualquer configuração, mediante avaliação dos técnicos da marca. No site da companhia, é referido que o motor pode ser de quatro cilindros em linha ou de seis cilindros em V com cilindradas entre os 2.0 litros e os 3.5 litros. Quando a opções de caixa, há um cardápio quase completo, com opções manual, semiautomática ou sequencial.

De resto, num detalhe curioso, a marca adianta que para adquirir um Adamastor, o cliente deverá efetuar um teste em pista que avalie características como perícia e destreza na condução, para que o proprietário de um Adamastor não seja “apenas mais uma pessoa que comprou um desportivo”, mas sim “uma pessoa que é reconhecida pela mestria na condução do mesmo”.

Quanto a preços, não há um valor definido. Contactada pelo Motor24, uma fonte associada à companhia lusa explicou que não há um preço para se balizar este Adamastor, na medida em que “cada automóvel será co-criado com o cliente. Dada a multiplicidade de alterações que a marca permite, o resultado final poderá variar de forma significativa, sendo assim, muito difícil quantificar à partida”.

Percorra a galeria de imagens acima clicando sobre as setas.