Ultrapassar os limites faz parte da cultura automóvel japonesa, com criações que aproveitam o tuning para ir além do que é aceitável em termos estéticos, ou a invenção do drifting como desporto e forma de arte. Mas há também um lado fora-da-lei, com vários gangues praticantes de street racing. E um destes praticantes foi preso, depois de ter fugido às autoridades durante dois anos.

De acordo com as autoridades japonesas, um condutor de 41 anos, Yoshimune Shirai, foi apanhado a 230 km/h e a fazer gestos obscenos às câmaras, numa via rápida na área metropolitana de Tóquio. No entanto, durante dois anos, a polícia não sabia quem ele era. Apenas sabiam que se tratava de um Dodge Challenger, muscle car americano que é um dos preferidos dos praticantes amadores de arranques na América do Norte.

O carro não tinha matrícula visível, faltando-lhe a placa dianteira, e foi preciso muito trabalho de detetive para o localizar. Sem a matrícula, a polícia preocupou-se em identificar o carro de acordo com as suas características exteriores, procurando por qualquer detalhe que o tornasse exclusivo. Depois de ser apanhado, Shirai usou a típica desculpa de que “não era eu ao volante”.